ARQUITETURAS: apontamentos de aulas
ARQUITETURAS: apontamentos de aulas

terça, 29 agosto, 2006

8.3 – A planificação das cidades no período romano antigo

Os romanos, insiste-se, irão utilizar as regras dos antigos etruscos para a planificação das cidades. Nada de novo portanto. Este procedimento se consistia em três etapas: uma mítica, outra de demarcação territorial e uma outra, celebrativa. 1] Inauguratio – que consistia na consulta aos deuses, aos oráculos, etc, antes da fundação das cidades; 2] Limitatio – que consistia na demarcação dos limites internos e externos (perímetros) das cidades e; 3] Consacratio – que consistia no ritual de celebração, que geralmente consistia em um sacrifício, na cidade recém-fundada.

Além disso, as cidades eram na maioria das vezes “pensadas” e construídas, como faziam os povos que formaram os romanos e/ou como nas grandes cidades conquistadas por esses.

“[...] No mundo romano, os princípios de urbanismo helenístico foram levados além e misturados a outros elementos urbanos, provenientes de municipalidades mais remotas da África e da Ásia”. MUNFORD - A Cidade na História; op.cit.; pp.225.

É comum o uso da acrópole (influência dos etruscos, assim como parece ser a do talento para a engenharia) como é comum começar-se pela muralha defensiva; o uso também de um traçado retangular (antiga tradição italiana setentrional) orientado por representação, por significados (confira a crítica estruturalista nas primeiras aulas deste blog) com a ordem cósmica: aí o feitio mais marcante é o traçado em cruz realizado pelo cardo e o decumannus. (acima vemos a imagem do decumanus da cidade de Tingard).

“A marca típica que a distinguia [a cidade romana antiga] das cidades helenísticas do mesmo caráter geral era o traçado de suas duas ruas principais, o cardo, que corria de norte para sul, e o decumannus, que corria de leste para oeste”. MUNFORD - A Cidade na História; op.cit.; pp.229. Esta tradição de tipo axial já remonta inclusive a tradições ainda mais antigas além da italiana, como a dos egípcios, por exemplo. Vale á pena uma incursão comparativa, mais tarde, ao tratarmos do Plano Diretor de Brasília, do grande mestre Lúcio Costa.

Além deste traçado regular, cartesiano, herdado dos antigos, são comuns nas cidades romanas: a ágora, denominada Fórum pelos romanos; as calçadas com arcadas, o teatro, a arena, os banhos públicos e os lavatórios públicos (constituídos inclusive como equipamento padrão, universal, pelos romanos). Dentro destes novos programas e espaços destacamos que, além dos banhos e lavatórios, o fórum romano será base conceitual para o entendimento das praças medievais, ainda que se difiram funcionalmente como razoavelmente de um ponto de vista arquitetônico.



postado por 28002 as 08:38
0 comentários:

Comente este post
Início
Perfil
28002
Meu Perfil

Meus Links
Revista LIMITES
Blocos de Perceptos
Croquis de Arquiteturas
Non Leggere
Palavras-Chave
>> cidades
>> romanas

Colaboradores do Blog


Comunidades
Projetos de Arquitetura

Posts Anteriores
>> 8.2 – As outras faces de Roma
>> Aula 8 – ARQUITETURAS DAS ANTIGAS CIDADES ROMANAS
>> 7.3.6 - Classicismo nos tratados do Século XIX
>> 7.3.5 - Classicismo nos tratados do Século XVIII
>> 7.3.4 - Classicismo nos tratados do Século XVII
>> 7.3.3 - Classicismo nos tratados do Século XVI
>> 7.3.2 - Classicismo nos tratados dos Século XIV-XV
>> 7.3.1. – Classicismo nos tratados do século IV ao século X
>> 7.3 - A projeção-propagação do tratado vitruviano e do saber clássico no tempo
>> 7.2.10 – O Tratado de Vitrúvio: Livro décimo

Arquivos
2006, 21 agosto
2006, 14 agosto
2006, 07 agosto
2006, 31 julho
2006, 24 julho
2006, 17 julho
2006, 03 julho
2006, 26 junho
2006, 12 junho
2006, 05 junho
2006, 29 maio

45157 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..