Compartilhando Na Web
A esposa do Cordeiro!

Graça, Paz e Alegria!

Apocalipse 21.9 - 22.5

9 E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.
10 E levou-me em espírito a um grande e alto monte, e mostrou-me a santa cidade de Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus,
11 tendo a glória de Deus; e o seu brilho era semelhante a uma pedra preciosíssima, como se fosse jaspe cristalino;
12 e tinha um grande e alto muro com doze portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.
13 Ao oriente havia três portas, ao norte três portas, ao sul três portas, e ao ocidente três portas.
14 O muro da cidade tinha doze fundamentos, e neles estavam os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.
15 E aquele que falava comigo tinha por medida uma cana de ouro, para medir a cidade, as suas portas e o seu muro.
16 A cidade era quadrangular; e o seu comprimento era igual à sua largura. E mediu a cidade com a cana e tinha ela doze mil estádios; e o seu cumprimento, largura e altura eram iguais.
17 Também mediu o seu muro, e era de cento e quarenta e quatro côvados, segundo a medida de homem, isto é, de anjo.
18 O muro era construído de jaspe, e a cidade era de ouro puro, semelhante a vidro límpido.
19 Os fundamentos do muro da cidade estavam adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento era de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda;
20 o quinto, de sardônica; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o undécimo, de jacinto; o duodécimo, de ametista.
21 As doze portas eram doze pérolas; cada uma das portas era de uma só pérola; e a praça da cidade era de ouro puro, transparente como vidro.
22 Nela não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor Deus, Todo-Poderoso, e o Cordeiro.
23 A cidade não necessita nem do sol, nem da lua, para que nela resplandeçam, porém a glória de Deus a tem alumiado, e o Cordeiro é a sua lâmpada.
24 As nações andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória.
25 As suas portas não se fecharão de dia, e noite ali não haverá;
26 e a ela trarão a glória e a honra das nações.
27 E não entrará nela coisa alguma impura, nem o que pratica abominação ou mentira; mas somente os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro.

22 E mostrou-me o rio da água da vida, claro como cristal, que procedia do trono de Deus e do Cordeiro.
2 No meio da sua praça, e de ambos os lados do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a cura das nações.
3 Ali não haverá jamais maldição. Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro, e os seus servos o servirão,
4 e verão a sua face; e nas suas frontes estará o seu nome.
5 E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos.

Um texto lindo! A descrição da Noiva do Cordeiro. Na verdade, além de falar dela como Noiva, já fala como Esposa, quer dizer: a união já é real!

Podemos meditar muito sobre esse texto. Mas quero apresentar algumas chaves para auxiliar na interpretação, facilitando a meditação:

A primeira chave é essa: A noiva é esposa agora. Quer dizer que o tempo de espera acabou. Nós já vivemos hoje a espera da eternidade com o Senhor. Mais que isso, vivemos como cidadãos do Reino, mesmo em nossos dias. A nossa esperança, a nossa fé, nos leva a essa certeza que já vivemos hoje o Reino, mas haverá um momento em que estaremos definitivamente nele. O texto de hoje fala desse momento, pois a Morte já foi vencida, o inimigo já está no lago de fogo, o julgamento já aconteceu e agora os eventos seguintes são a eternidade com o Senhor.

A comparação com o Jaspe: A cor do jaspe varia muito. A pedra típica é vermelho-tijolo ou vermelho-acastanhado, mas há também espécimes acinzentados, brancos, amarelos ou negros. No texto de hoje, vemos que ele é cristalino. O jaspe facilmente adquire as cores dos minerais à sua volta porque, como todos os quartzos, é uma forma de sílica. É uma sílica muito compacta, mas seus cristais possuem poros diminutos que, apesar de submicroscópicos, são grandes o suficiente para absorver fragmentos de outros materiais em sua própria estrutura física (mas não na química). O brilho do jaspe é em geral vítreo, mas às vezes pode ser untoso. Mas, nessa visão, por ser cristalino, ele está sendo apresentado sem as impurezas que existem na Terra. No Céu não entra impurezas!

O fato de ter as portas voltadas para o leste, sul, norte e oeste quer dizer que para quem chegar até essa cidade, não há dificuldade para entrar. O problema é viver de acordo com a vontade de Deus e poder chegar até lá. Depois, de qualquer dos lados, se a pessoa já viveu de forma a agradar a Deus, é possível entrar na cidade. Pensando nos nossos dias, normalmente uma das regiões de uma cidade é mais rica e outra é mais pobre (já era assim no tempo Bíblico). Muitos ficam com a impressão (muitas vezes, confirmada com a realidade) que uma região é mais cuidada que outra, tem mais benefícios. Na Cidade Santa isso não acontece: de qualquer região é possível entrar e as possibilidades são as mesmas (no caso, três portas de cada lado). Insisto: o caso é se acertar com Deus antes. Quando chegar lá, quem chegar, não terá problemas para entrar. A questão é antes, quer na ressurreição ou arrebatamento, quer passando pelo trono branco. Não sendo lançado no lago de fogo, a igualdade de condições impera na cidade.

O fato da cidade ser quadrangular nos mostra mais uma vez as igualdades de condições. A idéia é mostrar que a igualdade é real, inclusive no tamanho da cidade.

Há outras pedras no fundamento da cidade. Na próxima semana vamos escrever sobre essas pedras.

Não há santuário, pois a ideia de ir na igreja é para termos um tempo maior de intimidade com o Senhor. Sabemos que a igreja é para ser um momento a mais, mas para muitas pessoas esse é o momento de maior intimidade. O fato de não ter santuiário, então, nos revela que a presença de Deus é realmente sentida, vivida, por completo. Não há necessidade de ir a um lugar para sentir isso. A cidade é completa dessa presença.

Sem sol ou lua. Quem ilumina é a Glória de Deus, o Cordeiro é a lâmpada. Presença completa e real!

A cidade produz água, frutos, forma de cura. Não há maldição. Há, sim, a presença de Deus.

Maranata!

Forte abraço.
Em Cristo,
Ricardo, pastor
www.ministeriocompartilhando.com.br
www.group.compartilhandonaweb.net

postado por 107800 em 09:26:13 :

0 comentários:Comente este post!
CRIAR BLOG GRATIS   
..