Deficiência Visual
Tecnologias e Deficiência Visual

Pesquisando em sites sobre Deficiência Visual e Tecnologias Assistivas encontrei uma Pesquisa de Conclusão de Curso de Ciências da Computação de Carlos Eduardo M. Rodrigues sobre “Dispositivo Háptico de auxílio à navegação para deficientes visuais”.

Gostei muito da pesquisa pois aborda desde a deficência visual até a acessibilidade destas pessoas através de tecnologias assistivas. Abaixo descrevo pontos relevantes da pesquisa que poderá ser acessada na íntegra através do site http://www.cin.ufpe.br/~tg/2005-2/cemr.pdf.

O autor da pesquisa apresenta uma proposta de um dispositivo háptico (tato) para navegação/orientação de Deficientes Visuais. Descreve que a maior parte desses sistemas dá ao usuário um feedback sonoro, não podendo ser usado em ambientes com muito barulho ou em outras situações. Já os dispositivos hápticos (sistema de orientação portátil) interagem com o usuário através do tato, por meio de vibrações. A Palavra Háptico se refere a capacidade de sentir um ambiente mecânico natural ou sintético através do tato. Hoje, segundo a pesquisa, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, existem 40 milhões de pessoas cegas no mundo. Os suportes como bengalas e cães guias são muito utilizados hoje por estas pessoas, porém esta situação torna-se crítica no caso de novos destinos.  

Algumas Tecnologias Assistivas utilizadas por Pessoas com Deficiência Visual de feedback sonoros:

- Guias Turísticos Eletrônicos;

- Sistemas de apoio a execução de operações militares;

- Bengalas Virtuais;

- GPS.

Outras Tecnologias Assistivas Tradicionais para Deficientes Visuais:

- Cães Guias;

- Livros com fontes aumentadas;

- Livros em áudio ou em Braile;

- Impressoras em Braile/Teclado em Braile;

- Gráficos Tácteis (informações em alto relevo);

- Leitores de tela;

- Sintetizadores de voz (Dosvox)

Porém pesquisadores, comprovam que a melhor interface é aquela que combina feedback táctil com uma interface sonora.

Muitas indústrias não têm interesse econômico no projeto de bens que também possam ser utilizados por pessoas com deficiência, seja ela visual, motora ou auditiva. O principal argumento é que os custos envolvidos neste tipo de projeto são muito elevados e que os benefícios são destinados a um mercado muito pequeno.

Atualmente, esta situação está se modificando pelo fato de cada vez mais estar se pensando na inclusão destas pessoas e na inclusão digital.

 

Fernanda


postado por 44516 em 08:19:30 :

1 comentários:Comente este post!
em 24/04/2007 20:53:08 , Márcia escreveu:
OI Cenise, Janete Bomfim, Janete Souza e Sirleni
Desconsidere o comentário que postei antes com meu nome...como pode ver esse comentário pertence a prof Carla Valentini.
Abraços
CRIAR BLOG GRATIS   
..