Diario de uma Emetofobica
Diario de uma Emetofobica
quarta, 01 agosto, 2007
O MEDO PATOLOGICO E AS LIMITAçOES NA VIDA DO EMETOFOBICO

Bom dia,queridos amigos.

Estou muito feliz pelas visitas ao blog e tambem muito feliz por saber que estou ajudando muita gente atraves destas reportagens e pesquisas que traduzo.

Eu estou melhorando e fazendo um tratamento.As vezes a ansiedade aparece ,mas o panico diminuiu.Sei que tenho um ainda um caminho muito longo pela frente ate conseguir me curar,mas sei que conseguirei.

Hoje posto esta definiçao sobre o medo patologico e as limitaçoes que muito de nos (emetofobicos sentimos).Se voces tiverem duvidas e se quiserem comentar,fiquem a vontade.

Um grande abraço a todos.

Bruna

***

O MEDO PATOLOGICO

 O medo, mais precisamente, o medo patológico e que limita de alguma forma a vida das pessoas, vem aparecendo com freqüência cada vez maior em consultórios psiquiátricos e clínicas psicológicas. Esse medo patológico se diferencia do medo normal por várias  razoes:

* Não ter razão objetiva;

Não tem base na realidade concreta;

*  O próprio paciente sabe ser absurdo o que sente;

*  Provoca uma aflição (ansiedade) desmedida e

*  É acompanhado de sintomas físicos (falta de ar, sudorese, etc)

A boa notícia é que, ao contrário de antigamente, quando o fóbico ia progressivamente se retraindo e se isolando cada vez mais, hoje em dia um grande contingente de doentes se vê estimulado a procurar ajuda especializada. Essa diferença de postura deve-se, sem dúvida, aos avanços dos novos medicamentos e à eficácia dos tratamentos.
Os quadros de Fobias e de Pânico estão relacionados aos quadros de ansiedade patológica, de angústia e, principalmente, de depressão, neste caso, de Depressão Atípica.
Em suas manifestações mais agudas, tanto as Fobias quanto o Pânico são altamente limitantes e quase sempre expõem os pacientes a todo tipo de vexames. O medo de elevador pode fazer com que uma pessoa simplesmente se recuse a trabalhar ou morar em edifícios, o de avião impede passeios (de toda família), o de dirigir é muito mais problemático ainda...
Além da sensação de medo, propriamente dita, que aparece durante a circunstância que dá a fobia, a ainda o medo antecipatório, como por exemplo, fazendo a pessoa suar frio só de pensar em se sentar à direção de um carro. Na Fobia Social, por exemplo, faz com que a pessoa seja incapaz de conversar com o chefe, de trocar opiniões com os colegas de trabalho ou expor suas idéias numa reunião.
Pânico costuma ser mais incapacitante ainda. Profissionais podem até interromper sua carreira por causa do problema. No Pânico, de repente a pessoa começa a tremer, é tomada pela tontura, a pressão arterial dispara, o coração bate descompassado. Os sintomas são parecidos com os de um infarto, e, nesse instante, a morte ou a loucura iminentes parecem certas. Depois da primeira crise, o paciente costuma submeter-se a uma batelada de exames clínicos, o médico verifica que não há nada de errado e, mesmo assim, as crises continuam. Um dos piores aspectos do Pânico é o "medo de ter medo". Apavorada com a idéia de voltar a sentir os sintomas, a pessoa passa a fugir dos ambientes em que os ataques ocorreram, como se tal atitude pudesse evitá-los. É por essa razão que tantas vítimas acabam se trancando em casa.
Além das crises características de Pânico, outros sintomas podem aparecer, como por exemplo o medo de engasgar com um simples grão de feijão, medo de qualquer comprimido, sensação de se afogar no chuveiro, etc.
Há cerca de um século começaram as primeiras investigações sobre a origem dessas desordens emocionais que atingem milhões de pessoas em todo o mundo. Um ramo da pesquisa, que se utiliza do modelo biopsicológico, derivado da psicologia comportamental, vêm encontrando grande ressonância entre os médicos e terapeutas que lidam com esse assunto. De acordo com esse ponto de vista, o medo patológico é apenas a expressão de uma angústia mais profunda, e não deve ser considerado uma doença em si.
Outro ramo da pesquisa, com visão mais neurológica e orgânica, tenta delimitar as áreas do cérebro responsáveis pelo medo patológico, bem como os elementos cerebrais (neurotransmissores e neuroreceptores) relacionados por ele. Por causa desse tronco da pesquisa científica foram encontradas várias substâncias reconhecidamente eficientes no tratamento do Pânico, da Fobia e da Depressão.
Do ponto de vista neuropsiquiátrico, sabe-se hoje que as amígdalas, que são estruturas cerebrais localizadas na região das têmporas e têm a função de identificar situações de perigo, enviam ao hipotálamo, local de controle global do sistema endócrino, o sinal para que certas reações sejam deflagradas, como por exemplo, a reação de estresse.
Essas amígdalas reconhecem uma ameaça porque são alimentadas pelo Sistema Límbico, a parte do cérebro que constitui uma espécie de banco de memória das ameaças à pessoa, portanto, de memória do medo.
No sistema límbico estão armazenadas as informações que remetem a temores de nossos ancestrais, como os de animais ferozes, do fogo ou escuridão.
Além disso, o Sistema Límbico registra dados que se referem a experiências em que o medo foi adquirido por aprendizado ou por trauma. De acordo com pesquisas recentes, os fóbicos apresentariam uma hiperatividade nessa região do cérebro.
Os pesquisadores agora se empenham na descoberta de que esse sistema todo seria regulado por duas substâncias chamadas de neurotransmissores, a serotonina e a noradrenalina.
São essas mesmas duas substâncias que se relacionam ao humor e às sensações de prazer e bem-estar.
A história dos antidepressivos, usados também para combater Fobias e Pânico, está intimamente ligada aos avanços nessa direção. No início, as esperanças depositavam-se sobre medicamentos como Anafranil® e Tofranil®, ambos antidepressivos e que agem sobre a química cerebral como um todo, sem especificidade. A constatação de que a serotonina tinha um papel preponderante nesse processo, propiciou a criação de medicamentos que atuam especificamente sobre esse neurotransmissor.
Foi assim que se chegou ao Prozac® e o Zoloft®, os quais interferem especificamente no neurotransmissor serotonina. Depois desses medicamentos, outros da mesma linhagem foram sendo desenvolvidos, como o Aropax®, Luvox®, Serzone®, Efexor®, e assim por diante.
Depois de alguns anos acompanhando casos e mais casos de Fobias e Pânico, pode-se afirmar hoje, com certeza, que esses medicamentos são indispensáveis e insuficientes para a cura do problema. Já se constatou que o tratamento medicamentoso é muito mais eficaz quando associados a psicoterapia e vice-versa. Isoladamente, tanto os medicamentos quanto a psicoterapia, servem mais para controlar a intensidade dos sintomas – o que, sem dúvida, faz uma enorme diferença para os que sofrem desses problemas, mas a resolução definitiva fica muito mais próxima com os dois tipos de tratamento conjuntamente.

Fonte: Psicoweb.


postado por 53011 as 10:18:58 #
1 Comentários
Renata:
Bruna do Céu!!!

Puxa vida amiga ... era isso que eu estava qrenso "ouvir" ...

Estou com so hà 4 meses .... não sei mais o que fazer .... não consigo tomar a sertralina ....
11/12/2007 21:59:46  

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
Perfil
53011
Meu Perfil

Links
Blog Grátis
Hoteis

Palavras-Chave
emetofobia

Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
DESCOBERTAS SOBRE A POSSIVEL CAUSA DA MINHA EMETOFOBIA
EMETOFOBIA E ANOREXIA : CAUSA E CONSEQUENCIA
TERAPIAS ALTERNATIVAS PARA CONTROLAR O MEDO
TRATAMENTO : COMO ESCOLHER UM BOM PSQUIATRA
ESTAMOS NO ORKUT
A EMETOFOBIA NA INFANCIA
TESTE DE ANSIEDADE
TECNICAS PARA O AUTOCONTROLE DA ANSIEDADE
A EMETOFOBIA E O PANICO
PESQUISA

Arquivos
2009, 01 maio
2008, 01 março
2007, 01 dezembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 abril
2007, 01 março

21356 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..