Luzes na Floresta
Luzes na Floresta

segunda, 22 maio, 2006
Tragédia anunciada - Belo Monte a qualquer custo?

Nesta semana mais uma vez a Justiça Federal liberou a realização de estudos sócio-ambientais visando a construção da Hidrelétrica de Belo Monte, na região do Xingu, no Pará. A decisão coube ao juiz Herculano Martins Nacif, da Vara Federal de Altamira, que revogou liminar que impedia que tais estudos fossem realizados antes da consulta às comunidades indígenas, como determina expressamente a Constituição Federal em seu artigo 231.

Com essa medida, abre-se novamente a possibilidade de se cometer uma violência inominável contra os direitos e a própria sobrevivência de milhares de índios que habitam aquela região. São nove nações indígenas, em dez Terras Indígenas, ocupando um total de 5,3 milhões de hectares. São os Juruna, os Assurini do Xingu, os Araweté, os Parakanã, os Kararaô, os Xikrin do Bacajá, os Arara, os Kuruaia e os Kaiapó.

A história do projeto de Belo Monte (antes denominada de Kararaô, que significa “grito de guerra” na língua Kaiapó) é longa e marcada por conflitos permanentes. Por mais de 25 anos as nações indígenas, as comunidades camponesas e a sociedade civil em todos os níveis vêm se levantando contra uma estratégia de construção de megaobras para o aproveitamento hidrelétrico da Amazônia, cujas principais conseqüências têm sido a produção de profundos danos sócio-ambientais irreparáveis e reprodução em escala ampliada da miséria de imensas parcelas da população da Amazônia.

Prevista para custar U$ 3,7 bilhões, inundando cerca de 400 km2 para produzir 11.182 MW de potência instalada,  a usina de Belo Monte é apontada pelo governo federal como indispensável para que se evite um colapso no fornecimento de energia no país até 2010.

Esse discurso não é nem um pouco inovador. Na verdade, após um breve período de hesitação, o governo Lula manteve as mesmas diretrizes herdadas de seus antecessores, desde o regime militar até FHC. O cerne dessa política é continuar fornecendo energia firme e a preço subsidiado para os grandes monopólios eletrointensivos, cujos produtos, de baixo valor agregado, abastecem o mercado internacional, gerando um número cada vez mais insignificante de empregos. Essa foi a lógica da hidrelétrica de Tucuruí. E são os mesmos poderosos interesses – notamente das empresas de alumínio que já utilizam 8% de toda a energia produzida no País – que estão por trás de Belo Monte.

Romper com esse modelo é um imperativo para a sobrevivência não só das nações indígenas ameaçadas diretamente, mas também de tudo que a Amazônia representa como patrimônio do povo brasileiro.

O Ministério Público Federal já anunciou que irá recorrer da medida judicial. Para os procuradores Felício Pontes Jr e Marco Antonio Delfino de Almeida "a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte nas condições jurídicas atuais equivale à edificação de um monumento ao desrespeito à Constituição".

Cabe aos movimentos sociais prosseguir com essa histórica luta de resistência , não deixando perecer o exemplo de bravura da índia Tuíra, da nação Kaiapó, que em 1989 demonstrou toda a indignação de seu povo ao aproximar um facão do rosto do então presidente da Eletronorte, José Antônio Muniz Lopes,  produzindo uma imagem que correu o mundo como forma de denúncia de um crime que, após quase 20 anos, pretende-se perpetrar.



postado por 9449 as 11:00:24
4 comentários:

Maria Luzia:
Edmilsom, ler os teus textos nos ajuda a acreditar que podemos fazer como a índia Tuíra e não permitir que as consciências se acomodem. Aproveito para te desejar um feliz aniversário.

25/05/2006
Maria Luzia:
Edmilsom, ler os teus textos nos ajuda a acreditar que podemos fazer como a índia Tuíra e não permitir que as consciências se acomodem. Aproveito para te desejar um feliz aniversário.

25/05/2006
Otávio:
Tomara que a bravura da índia Tuíra, Kaiapóa seja a mesma e o facão mais amolado. Antes que seja tarde.
25/05/2006
Luiz Mário:
Enquanto a consciência da maioria da humanidade estiver moldada pela idéia que de fomos paridos por um macho (Deus) e não pela mãe natureza, nos mantendo apartada desta, estaremos caminhando cada vez mais para uma tragédia maior.
23/05/2006
Comente este post
Início
Perfil
9449
Meu Perfil
Meus Links
Correio da Cidadania
Dep. Ivan Valente
APS
Le Monde
Florestan Fernandes
Maria Adélia Aparecida de Souza
América Vera-Zavala
Fale Conosco
Palavras-Chave
Belo
Monte
-
Povos
Indígenas
Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos

Comunidades
Não há comunidades.
Posts Anteriores
Balbina: o passado condena
O programa abandonado
Belo Monte – Três décadas de muitos erros
Violência sem-fim - Civilização, sim; barbárie, não
Os crimes
Banho de sangue 1 – Pacto Sinistro
Banho de sangue 2 - Licença para matar
Máscara de folha-de-flandres, símbolo de um passado sempre presente
Memória da escravidão – Negros com nome e sobrenome: Sudaneses, Bantos, Congos, Benguelas, Moçambiques
Memória da resistência – Cabanagem Negra
Arquivos
2010, 01 maio
2007, 01 fevereiro
2006, 01 julho
2006, 01 junho
2006, 01 maio
2006, 01 abril
2006, 01 março
2006, 01 fevereiro
2006, 01 janeiro
2005, 01 dezembro
2005, 01 novembro
2005, 01 outubro
87713 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..