Luzes na Floresta
Luzes na Floresta

segunda, 05 junho, 2006
Crime de Guerra 2 - Vietnã, infinito horror

O horror, o verdadeiro horror, ia me dar seu bote de tigre no meio da floresta, no vilarejo montanhês de Thinh Lang.Eu acabava de ter uma alegre entrevista com o chefe do Comitê Administrativo local, um camarada dinâmico, animado. Bebemos chá e comemos grapefruit com a mão, em gomos. Ele abriu a mão, cheia de caroços da fruta:

- A semente dá um óleo muito importante para a indústria. Os meninos da escola secundária estão estudando as sementes o tempo todo, ao microscópio, para melhorar o aproveitamento. Os americanos têm atrapalhado a gente um bocado, mas também ajudam. No dia 12 de outubro de 1967, por exemplo, nos bombardearam 12 vezes. Acabaram com tudo. Nunca entendi por quê. A estrada de Hanói passa a mais de um quilômetro daqui e a única indústria que tínhamos era uma máquina de descaroçar arroz. Por outro lado, como nossas casas são de palha, foi fácil construir outras, mais bonitas.

Ele apontou o teto da cabana sobre estacas, em que estávamos. As vigas de sustentação do teto eram trabalhadas: o dragão do Vietnã, cara pintada de vermelho e de ouro.

- Só foi pena, mesmo, que os americano jogassem bombas de fósforo, que causam queimaduras horríveis, quando não matam.

Saímos em direção ao rio Da, o S. Francisco, que eu devia atravessar de volta. E passamos pela cabana de Nguyen Thai Van, uma mulher semidestruída por bomba de fósforo. Quase sem cabelo, as sobrancelhas reduzidas a dois tufos em frincha de pelos crespada, os ossos da mão direita visíveis debaixo da pele como se tivessem posto uma luva transparente em mão de esqueleto. A mão esquerda não era nada. Um punho com protuberâncias. E vermelho, vermelho como se fosse sangrar. Ao que me dizem o napalm queima e queima. Mesmo que quem esteja em fogo mergulhe num lago o napalm continua a arder. O fósforo apaga. Mas a mulher estava só em casa, sem o marido, e tinha nove filhos a carregar para o abrigo quando a bomba ateou fogo à sua palhoça e a ela própria.

-Consegui salvar sete dos meninos – disse ela – mas o fogo continuou me queimando o temo todo. Acabo de passar oito meses no hospital de Hanói. Lá tem gente muito pior que eu.

O que me veio à lembrança foi In Cold Blood, de Truman Capote. Dicks e Perrys, não mais atravessando os Estados Unidos de automóvel para assassinara família Clutter, mas atravessando o Pacífico de avião para queimar viva a família Van. A sangue frio.

 

(Antônio Callado, Vietnã do Norte, advertência aos agressores, Civilização Brasileira, 1969)

Foto: Nick Ut

A pequena Kim Phuc grita de dor em meio à destruição do Napalm (Vietnã, 1972)

 



postado por 9449 as 10:36:33
0 comentários:

Comente este post
Início
Perfil
9449
Meu Perfil
Meus Links
Correio da Cidadania
Dep. Ivan Valente
APS
Le Monde
Florestan Fernandes
Maria Adélia Aparecida de Souza
América Vera-Zavala
Fale Conosco
Palavras-Chave
Vietnã
-
Napalm
-
Crime
guerra
dos
EUA
Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos

Comunidades
Não há comunidades.
Posts Anteriores
Crime de guerra 3 – Século XX, uma montanha de 111 milhões de mortos
Guerras insanas
Violência sem fronteiras – 63 jornalistas assassinados em 2005
Em busca da terra prometida - Mais de 1 milhão de acampados
Belo Monte embargada – Justiça manda suspender estudos
Tragédia anunciada - Belo Monte a qualquer custo?
Balbina: o passado condena
O programa abandonado
Belo Monte – Três décadas de muitos erros
Violência sem-fim - Civilização, sim; barbárie, não
Arquivos
2010, 01 maio
2007, 01 fevereiro
2006, 01 julho
2006, 01 junho
2006, 01 maio
2006, 01 abril
2006, 01 março
2006, 01 fevereiro
2006, 01 janeiro
2005, 01 dezembro
2005, 01 novembro
2005, 01 outubro
87713 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..