Luzes na Floresta
Luzes na Floresta

sexta, 16 junho, 2006
Relatório do CIMI : Índios no Brasil (2003-2005): terror e violência

O peso da decepção não poderia ter sido maior, pois, afinal, eram enormes no seio dos povos indígenas as expectativas abertas com a eleição de Lula. Esperava-se que houvesse chegado o dia em que o Estado brasileiro  pagar essa enorme dívida feita de sangue e de destruição física e cultural, que remonta à invasão européia de 1500. O que muito poucos poderiam prever era o quadro de terror e violência crescentes contra os povos indígenas no Brasil, retratado de forma contundente e fiel por mais um relatório do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), que acaba de se tornar público.

O texto intitulado “A violência contra os povos indígenas no Brasil – Relatório 2003-2005”, traz números desconcertantes. Por exemplo, a média de índios assassinados a cada ano dobrou, se comparados os períodos de governo de FHC (1995-2002) e de Lula (2003-2005). De uma média de 20,65 assassinados por ano, passamos para a triste marca de 40,67, totalizando na década 287 indígenas assassinados em meio a uma espiral de violência que só faz se ampliar continuamente.

Na raiz desta tragédia, o agravamento dos conflitos fundiários, fruto, entre outras causas, do avanço da fronteira agrícola impulsionada por poderosos grupos econômicos vinculados ao agronegócio. Como contraparte desse quadro de barbárie, a lentidão e inoperância, às vezes criminosas, das instituições do Estado, que possuem o dever constitucional de proteger e dar total amparo às comunidades indígenas. De 2003 para cá, a média de terras declaradas indígenas alcançou apenas 6, contra 11 no segundo mandato presidencial do PSDB.

Enquanto isso, prossegue o processo de invasão de áreas indígenas por grileiros e outros ocupantes – às vezes pequenos proprietários, posseiros, que são empurrados pelo latifúndio para um conflito sangrento com as comunidades indígenas. O caso da nação Tembé Tenetehara, no Pará, cujo confronto com os invasores se arrasta há décadas, sem solução, é um exemplo emblemático dessa situação insustentável.

Igualmente ameaçados na Amazônia estão os cerca de 60 povos sem contato, dos quais 17 na iminência de extinção em função das práticas genocidas que se mantém em vigor.

A denúncia da violência e do terror que continuam atormentando as nações indígenas no Brasil e o firme apoio à luta de resistência que esses povos desenvolvem, continua sendo mais que um dever político um imperativo moral inarredável.

Ilustração: Fac-símile do livro "Tembé-Tenetehara: A nação resiste", publicado pela Assembléia Legislativa do Pará em 1994, fruto da Comissão Especial de Estudos sobre os índios Tembé-Tenetehara da reserva indígena Alto Rio Guamá, constituída por requerimento de minha autoria, na época, deputado estadual em segundo mandato. 

 



postado por 9449 as 05:15:24
3 comentários:

Alyssu:
Concordo plenamente com Marcela Castro...
A nossa cidade carece de um prefeito a altura dela...
aquelas assembleias onde o povo decidia não existem mais, e então a cidade ficou praticamente abandonada
quanto ao asunto prinicipal, os indios, tenho em mente que devemos mesmo tomar uma atitude contra a injustiça, mas daí a dizer que isso e culpa somente deo governo Lula é brincadeira...
Pode ser o Lula, o FHC ou o Alckmin, ou qualquer outro...
acho dificil que a situação irá mudar muito.
Infelizmente não consigo achar uma solução para a situação dos índios........
26/06/2006
Marcela Castro:
Edimilson, apesar de ter gostado muito do blog, esquerdista, politizado e não exacerbado, estou postando por outro motivo: meu querido , volta, pelo amor de Deus. Votei em ti nas duas eleições a que te candidataste. Não aguento mais ver Belém assim: nunca tantos buracos assolaram a mangueirosa, as praças sujas, a violência cada vez maior, policiamento zero... A reórter da Folha de São Paulo, infelizmente, estava certa sobre a cidade. Então, volta, volta!!!!!!!!!!!!!!!
26/06/2006
Humberto Deodato:
É lamentável o centenário descaso sobre a sorte dos povos indígenas em nosso país. Ainda ontem, no Memorial dos Povos Indígenas em Belém, comovi-me em frente ao monumento que homenageia cacique Tupinambá, mais um heroi da resistência local contra o invasor-colonizador. Achei o logradouro abandonado, a ideologia associada ao mesmo sepultada e, como brasileiro e amazônida senti-me abandonado....

17/06/2006
Comente este post
Início
Perfil
9449
Meu Perfil
Meus Links
Correio da Cidadania
Dep. Ivan Valente
APS
Le Monde
Florestan Fernandes
Maria Adélia Aparecida de Souza
América Vera-Zavala
Fale Conosco
Palavras-Chave
Povos
Indígenas
-
Violência
-
Resistência
Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos

Comunidades
Não há comunidades.
Posts Anteriores
Dedicatória - Para que nasçam novos guerreiros
A palavra do bispo: testemunho de uma grande frustração
Poesia mexicana - A arte da palavra, por Octavio Paz
Nossa América, segundo Roque Dalton
Crime de Guerra 1 - Iraque em chamas
Crime de Guerra 2 - Vietnã, infinito horror
Crime de guerra 3 – Século XX, uma montanha de 111 milhões de mortos
Guerras insanas
Violência sem fronteiras – 63 jornalistas assassinados em 2005
Em busca da terra prometida - Mais de 1 milhão de acampados
Arquivos
2010, 01 maio
2007, 01 fevereiro
2006, 01 julho
2006, 01 junho
2006, 01 maio
2006, 01 abril
2006, 01 março
2006, 01 fevereiro
2006, 01 janeiro
2005, 01 dezembro
2005, 01 novembro
2005, 01 outubro
87713 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..