Luzes na Floresta
Luzes na Floresta

sábado, 08 julho, 2006
Benedicto Monteiro - Achados da memória

A imprensa de hoje notícia que o escritor, poeta, político e lutador social Benedicto Monteiro, 82 anos,paraense de Alenquer, sofreu um AVC e está em estado grave numa clínica do Rio de Janeiro. A saúde do Bené não anda muito bem nos últimos tempos, mas é com a garra de sempre que ele vem resistindo e contornando seguidos reveses. Oxalá que possa superar mais este, brindando-nos com sua arte e com seu exemplo de alguém que há décadas luta em defesa do povo pobre de sua terra amada.

Há muito sua extensa e premiada obra literária  alcançou o status de referência em termos da melhor literatura brasileira. É impossível esquecer do extraordinário Verde Vagomundo ou de sua enxuta, mais igualmente brilhante, produção poética.

A mim, por exemplo, são de uma qualidade ímpar seus versos no O Cancioneiro do Dalcídio, editado pela PLG Comunicação e pela Falangola editora, no já distante 1985. Como se sabe, esta obra verte para a poesia textos em prosa do grande Dalcídio Jurandir, valorizando e, ao mesmo tempo, extrapolando a perspectiva e abrangência da produção original.

Entre tantas poesias, destaco "Memória Perdida", cujo ponto de partida foi um exerto de Primeira Manhã (Dalcídio Jurandir, 1968):

"(...)Meu Deus, de onde venho, que flor sai eu deste enxerto preto e branco? Vadios malfeitores ratoneiros ladrões condenados, tais foram os primeiros colonos do Pará, assim falava o pai num tom de lástima e troça. Dos brigues da África descarregavam o sofrimento".

MEMÓRIA PERDIDA

Meu Deus

de onde venho eu

que flor saiu

deste enxerto preto-e-branco

mais preto do que branco

mais branco com alma preta

mais carne do que alma

mais calma do que carne

mais homem

ou mais mulher?

Oh meu Deus

de que Deus sou eu

da mata ensolarada

da selva enverdecida

do campo ensombreado

do rio manso perdido

ou da lua

do sol

do céu?

Que sangue me acalora

que desejo

me devora

que alma

me apavora

que sonho

me comemora

que fui

que sei

que sou?

(Benedicto Monteiro)

Foto:www.verdevagomundo.com.br

Deputado estadual, Benedicto Monteiro, com o ex-presidente Jango Goulart (início dos 60)



postado por 9449 as 05:21:26
2 comentários:

letras:
Muito legal seu blog, continue sempre assim....
até mais...
11/03/2007
Barnabé Municipal:
Já não se fazem mais intelectuais como ele; é com grande tristeza que recebo esta notícia. Com ele eu aprendi a diferenciar demagogia de sonhos possíveis. Na última vez que tive oportunidade de ouví-lo, ele falava sobre Sartre; a náusea de Sartre. Nunca estive tão nauseado. É muita luz hoje na floresta, muita luz refletida nas árvores me dão náusea, eu prefiro a penumbra, o não evidente, pois eu, "encontrei tanto liberdade como segurança em minha loucura [náuseante], a liberdade da solidão e a segurança de não ser compreendido, pois aquele que nos compreende escraviza alguma coisa em nós" (Gibran).
16/07/2006
Comente este post
Início
Perfil
9449
Meu Perfil
Meus Links
Correio da Cidadania
Dep. Ivan Valente
APS
Le Monde
Florestan Fernandes
Maria Adélia Aparecida de Souza
América Vera-Zavala
Fale Conosco
Palavras-Chave
Poesia
Amazônida
Benedicto
Monteiro
Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos

Comunidades
Não há comunidades.
Posts Anteriores
Max Martins, 80 anos - Um poeta universal
Relatório do CIMI : Índios no Brasil (2003-2005): terror e violência
Dedicatória - Para que nasçam novos guerreiros
A palavra do bispo: testemunho de uma grande frustração
Poesia mexicana - A arte da palavra, por Octavio Paz
Nossa América, segundo Roque Dalton
Crime de Guerra 1 - Iraque em chamas
Crime de Guerra 2 - Vietnã, infinito horror
Crime de guerra 3 – Século XX, uma montanha de 111 milhões de mortos
Guerras insanas
Arquivos
2010, 01 maio
2007, 01 fevereiro
2006, 01 julho
2006, 01 junho
2006, 01 maio
2006, 01 abril
2006, 01 março
2006, 01 fevereiro
2006, 01 janeiro
2005, 01 dezembro
2005, 01 novembro
2005, 01 outubro
87713 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..