macaepescasub
macaepescasub
segunda, 22 junho, 2009
Algo Mudou



Amigos que voltaram aqui... o endereço mudou...Quem nunca mudou um dia?

           www.macaepescasub.blogspot.com

                          " Desculpe os transtornos,estamos trabalhando para melhor servir."     hehehehehe,

                                                                                                                               Abração,

                                                                                                                                                      Rodrigo.

postado por 119970 as 05:47:02 # 0 comentários
segunda, 08 junho, 2009
Magia da ilha


                                              

 

 

 

 

 Arquipélago de Santana, lugar lindo, meu refúgio, meu quintal.

 Nome de santa, Santa Ana, diz a lenda que essa santa era tão apaixonada  por esse arquipélago que os fieis de uma antiga vila de pescadores no litoral fluminense, colocaram-na no altar de uma certa igreja no alto de um morro de onde melhor avista-se essas ilhas e ela não resistia, no outro dia essa santa(ou imagem) lá estava, na praia da ilha principal de frente para o mar. Mais uma vez, fieis, homens de grande coragem, que encaravam o mar com pouca ou nenhuma tecnologia, usando muitas das vezes apenas remos, com muita fé,traziam-na de volta e no altar da alta igreja á colocavam. Diz também a lenda que esse ritual aconteceu diversas vezes, até o dia que os fieis perceberam que a santa queria mesmo era morar na ilha e não na igreja, sendo assim deram-na a duas coisas, Por isso a Macaé de hoje tem um arquipélago e uma igreja(de onde se tema melhor visão das ilhas) que levam o seu nome.

 

Então,como podemos nós, resistir a tantas belezas a tantas atrações se nem uma santa conseguiu? Como podemos acordar numa dia quente de verão ou num dia calmeiro de inverno e não soltar as amarras e partir mar a dentro?

 

Para quem não conhece esse paraíso eu posso dizer que temos lá apenas três praias de areia e vários metros de costões rochosos, de beleza ímpar, onde  encontram se perfeitos lugares para pesca de linha,embarcada ou não, e muitos pontos ótimos para prática da pesca sub. Uma grande diversidade de vida marinha, que podem ser contempladas apenas por poucos, pois poucos são os que conhecem os rituais necessários, para que suas águas fiquem claras e com visibilidade satisfatória para prática do mergulho.Esse ritual nada mais é que uma complexa combinação de fatores como: direçãodos ventos, correntes marítimas e movimentos de marés, que apenas quem ama Macaé,tem sensibilidade para entender.

 

Amigo que está lendo esse texto, se você ja foi contaminado pela magia da Santana e ama essa cidade,  certamente você sofre e curti os momentos inesquecíveis de suas águas, mas se você ainda não foi contaminado, CUIDADO, pois não existe antídoto para esquece-la, e certamente você será mais um louco por ela e sentirá sempre esse desejo desesperado de visitá-la e protege-la, mas te garanto que os contaminados não estão nem um pouco interessados em descobrir a fórmula desse antídoto.

 

Fico por aqui,esperando que esse antídoto nunca me alcance.               fui...


postado por 119970 as 11:39:34 # 21 comentários
quinta, 04 junho, 2009
Quem ri por último


<!-- /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}-->

                                             Quem ri por último....

 

 

             Certa manhã de dezembro, sendomais preciso, manhã do dia trinta e um de tal mês, último dia do ano de 2008,saímos em busca de águas claras, eu, Claudão e o ancião, meu sogro, quedespencou lá do norte do Espírito Santo, atrás dos belos exemplares. Saímos docais do Iate Clube Macaé por volta das seis da manhã, dia lindo e calmeiro, comoos clássicos dias de verão, apenas embaçado por um pouco de névoa, indicandoque o dia seria quente de verdade.

              Navegando com o través pela baseoperacional do cais da Petrobrás, por terra da ilha do papagaio, sicuras deplantão jogam as iscas  n'agua,com aquelavelha frase: "ali na laje grande e pequena sempre bate um peixe"mesmo sabendo que isso não passa de uma lorota, pois nunca vimos um peixe sendopescado de currico naquelas pedras....

              Prosseguindo a navegação sob osbraços conhecedores do capitão de plantão avançamos em direção as águas do sul,laje das anchovas, nome sugestivo, embora anchova mesmo não apareça por lá fazanos. GPS ligado, agulha apontando, milhas náuticas faltando e o sogrão ferra oprimeiro exemplar do dia, uma bela bicuda. Nesse momento o capitão manifesta interessepela linha, vai até o seu estojo e puxa a isca da sorte, joga na água e assumeo leme novamente. Navegação mais tranquila impossível, antes de consultar oaparelho novamente, o dito senhor ferra outro exemplar, dessa vez uma cavala detamanho tímido, mas de comportamento temperamental, em pouco tempo mais umpeixe no convés, esse pesado na hora e peso anotado, 4kg. Até então o veteranoCláudio ainda não havia produzido nada e antes do capitão tentar puxar umassunto sobre seu marasmo a sua linha canta e em poucos segundos, mais umabicuda no convés. Após esse momento o capitão encontrou-se no mais profundocomplexo de inferioridade devido a tantos comentários sarcásticos, esabidamente, diz: calma gente, a pescaria ainda não acabou...Pouco tempodepois,o capixaba paulista,embarca mais um e mais um e o claudão resolve abrirsua linha de produção,capturando mais três bicudas em seguida.Tristecapitão,,já conduzia a nau sem olhar mais para a popa de sua embarcação,apenasouvia e nada respondia,pois argumentos não tinha.Logo após ouvir um dos exímiospescadores dizer: Chega.Vamos dar meia volta.Vamos para a ilha comer peixefrito...Mas só comerá quem pescou...o capitão sem nenhuma moral com atripulação,apenas acerta as coordenadas,vira a proa do ESTRELA DALVA,para adireção do arquipélago de santana e solta as máquinas,pensando,como poderiahaver um dia de tanta má sorte.

              Após um período deaproximadamente sessenta minutos de navegação em direção norte alcançamos a praiada ilha principal do arquipélago, canto direito, perto das pedras o capitãopediu gentilmente que a âncora fosse lançada. Pronto, nosso barco estava ancorado,firme como uma rocha. Cláudio, imediatamente se dirija ao porão de proa e vemcom a caixa da cozinha, onde continha um fogão, frigideira, pratos e talheres, comum sorriso cínico na cara diz: Eu vou comer peixe, pois garanti os meus. Imediatamenteouço uma voz senil: Eu também. Durante esse período de ancoragem, o capitão jáse encontrava no mais completo estado de concentração, analisando as condiçõesda água na costeira da ilha, num ato firme e consciente ele diz: VOU BUSCAR OMEU. Nesse momento, os pescadores que já haviam limpado alguns peixes, lavadospratos e panelas,riram do capitão.Ele não se abalou,vestiu a sua roupa deneoprene, apossou-se de seu arbalete de 80cm,pois a água estava com avisibilidade comprometida,e pulou n'agua.Durante os primeiros segundo de nadopensou,não ter feito a coisa certa,pois a cerveja já estava gelada e em brevepostas de peixes frescos estariam saindo da frigideira,mas ele tinha um nome azelar.Com Deus a seu lado e um pouco de conhecimento daquelas rasas tocas, naprimeira visita,ao acender a potente lâmpada da lanterna princeton,TEC 400,compradodas mãos do amigo Gil,lá do paraná,mãos essas que conseguem tudo para pescaesportiva, com um preço camarada, dois olhos vermelhos brilham a menos de umpalmo de sua máscara,ele fica frio faz a mira e,nada, o tiro não saiu,quandoverifica o que houve,vê a trava do gatilho da arma PK acionada,sobe ásuperfície,pois já estava sem ar,destrava o gatilho,enche os pulmões de ar edesce novamente, ,já sem saber se  sua salvaçãodas gozações estaria lá ainda te esperando.Ao chegar na entrada da moradia doimponente serranídeo, não a vê, acende a lanterna e lá no fundo da toca brilhamos olhos vermelhos,foi um disparo certeiro e lá estava ela, atravessada em suaflecha.Com a destreza adquirida em dez anos de pesca sub,desentoca o bicho,esconde-aem baixo de seu corpo e volta em direção ao, agora, restaurante  flutuante. Lá chegando gozações sãoouvidas,pois devido ao pouco tempo que ocorreu o fato narrado,cerca de5minutos,pensavam que o capitão tinha desistido e jogado a  toalha.Como de costume, ao mergulhador se aproximardo barco de apoio o membro da equipe que ficou ou está á bordo se aproxima paraajudar,pegando logo a arma para que o pescador sub,fique com as mãos livrespara subir a bordo e esse gentil companheiro foi o senhor meu sogro que játinha em suas mão uma lata do liquido que desce redondo,ao pegar a coronha daarma e puxar,sentiu um peso e disse tudo que o capitão queria ouvir.TA PESADOAQUI,ACHO QUE AGARROU EM ALGO.O capitão que não havia tirado o peixe da flecha,riue disse: AGARROU NÃO,EU NAÕ DISSE QUE BUSCARIA O MEU EXEMPLAR... E foi aquelafelicidade todos rindo e felizes com tamanha beleza de uma garoupa de 6kgpescada em cinco minutos.

          Agora a equipe estava formada denovo,só que com todos os membros felizes,comendo peixe frito,tomando umacerveja gelada e falando mentira,como qualquer reunião de pescador em qualquercanto do mundo.

 

 

 

                                                                                                                                                        O capitão fica por aqui, umgrande abraço.........fui.


postado por 119970 as 02:00:13 # 3 comentários
 
Perfil
119970
Meu Perfil

Links
Blog Grátis

Palavras-Chave
entressafra

Favoritos
macaepescasub
mais...

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
Algo Mudou
Magia da ilha
Quem ri por último
Entressafra
Apresentação

Arquivos
2009, 01 junho

826 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..