penochao
penochao
sexta, 27 abril, 2007
Última Moda
Última Moda

Alcino Leite Neto -
ultima.moda@folha.com.br

A volta do filho pródigo

As criações de Francisco Costa para a Calvin Klein chegam pela primeira vez ao Brasil na nova loja da grife na Daslu

Um dos principais estilistas do mundo, o brasileiro Francisco Costa terá suas criações para a Calvin Klein vendidas no país pela primeira vez. No próximo dia 3, será inaugurada em São Paulo a primeira loja latino-americana da Calvin Klein Collection -o prêt-à-porter da grife-, da qual Costa é diretor de criação desde 2003.
A loja de 107 m2 será na Daslu e, além de looks da coleção primavera-verão 2007, terá bolsas e sapatos. Será a oportunidade para as brasileiras conferirem bem de perto a criação de Costa, um estilista bastante autoral, com gosto acentuado pela elaboração arquitetônica das roupas e que busca uma elegância contemporânea, inteligente, sedutora e afirmativa.
Nascido em Guarani (MG), Costa, 41, trabalhou com Oscar de la Renta e na Gucci. Em 2003, foi indicado por Calvin Klein como o seu substituto.
Em 2006, ganhou o prêmio do Conselho de Estilistas da América, o Oscar da moda nos EUA. A seguir, o designer fala sobre suas coleções e o estilo das brasileiras. "Para que essa cabelada loira toda, meu Deus?", ele se pergunta, a respeito da febre atual de cabelos oxigenados. "Vamos assumir o Brasil."

 
FOLHA - Você acha que a sua roupa será bem compreendida no Brasil?
FRANCISCO COSTA -
Acho que sim. Não sei se tudo irá funcionar, mas é uma coisa que vamos aprimorar aos poucos, inclusive desenvolvendo peças especiais para o Brasil. Para mim, é importante ter minhas roupas no país, pois minha essência está aí. Esta loja vai me aproximar mais do Brasil. É como se eu estivesse voltando para casa.

FOLHA - Quanto sobrevive de um estilo brasileiro na sua criação?
COSTA -
Tenho um estilo internacional. Mas o que trouxe do Brasil e cria a minha diferença é a sensualidade própria do país, que também combina com o estilo do Calvin, mas como complemento do ser da pessoa.

FOLHA - Por que o elemento esportivo é importante nas suas coleções?
COSTA -
Foi uma idéia mais forte na primavera, e isso se deve ao fato de que tudo está mudando muito rapidamente, inclusive as mulheres. Elas estão mais envolvidas na dinâmica do trabalho e da vida urbana. Tudo isso pede uma agilidade e uma praticidade que busco expressar na roupa. Tem a ver também com a juventude, uma evolução em termos de silhueta, de tecidos e de conceitos. Mas eu diria que o elemento arquitetônico é o mais importante nas coleções. Esse gosto pela construção eu aprendi em Minas, na confecção de minha mãe, ao ver como eram feitas as roupas, os bordados...

FOLHA - Para onde vai a moda?
COSTA -
Estamos num período muito chato. As pessoas não sabem mais o que é moda, o que é válido e o que não é. O business está dominando em excesso, há uma grande indiferença em relação ao designer.

FOLHA - O que você gosta e o que não gosta no estilo das brasileiras?
COSTA -
Existem pessoas chiquérrimas no Brasil. Mas existe uma atração muita grande pela vulgaridade -não só aí, mas em todo o mundo-, devido a uma série de fatores, inclusive econômicos. Tenho pavor de barriga de fora, por exemplo. Para que, se a brasileira já é tão sensual? Já é tempo de ela ter mais autoconfiança. Acho que as brasileiras também estão carregando muito na maquiagem.
Não vejo necessidade, num país tão claro e com tanto sol. E para que essa cabelada loira toda, meu Deus? Vamos olhar para a Sonia Braga, as Gabrielas da vida. Vamos assumir o Brasil.

Empresário que controla VR e Mandi traz prêt-à-porter da Calvin Klein

"Estamos aprendendo a entender a moda feminina", diz o empresário Alexandre Brett, que está abrindo a primeira loja do cobiçado prêt-à-porter da Calvin Klein. As roupas para mulheres não foram até agora o forte da sua empresa, mas isso não impediu que ele criasse um dos negócios mais poderosos da moda brasileira.
Brett, 35, comanda -ao lado de seu irmão Eduardo- a BR Labels, dona das grifes masculinas VR e Mandi e sócia na distribuição brasileira da Calvin Klein Jeans. A VR Menswear, adquirida em 2002, tem hoje 35 lojas e é responsável por 60% do faturamento da BR Labels -enquanto 30% vêm da CK Jeans, lançada no país em 2005 e hoje com 19 lojas.
Onde Brett coloca a mão, as coisas começam reluzir a ouro. A Mandi cresceu 60% desde que a BR Labels se associou à marca de Marcos de Moraes e Marcelo Loureiro e comprou as operações da grife, em 2005. Saltou de quatro para nove lojas -e vai inaugurar outra em Salvador. A empresa possui ainda a VR Kids, para meninos.
Brett começou cedo na moda. Seu avô, o húngaro Estevão, fundou no Brasil a Vila Romana nos anos 50. Seu pai, Ladislau, e o tio, André, herdaram o negócio e acrescentaram a ele licenciamentos da Calvin Klein e da Pierre Cardin para o Brasil.
Alexandre trabalhou como vendedor numa das lojas Calvin Klein da família, quando tinha 17 anos. Nos anos 90, os Brett deixaram o controle da Vila Romana -da qual a BR Labels comprou a VR Menswear.
"Não tenho uma máquina de costura sequer", conta Brett. Toda a produção das suas grifes é terceirizada e confeccionada no Brasil, exceto o underwear Calvin Klein, que é importado.
Os jeans CK são feitos no país e aprovados pela matriz, o que permite preços -entre R$ 200 e R$ 400- bem abaixo dos de outras marcas estrangeiras.
"Nossa coleção de jeans ainda será vendida nos EUA", diz Brett. "Quando chegam no Brasil, os estrangeiros se surpreendem com a força das marcas locais. O Brasil é muito competente em termos de moda."
Trazer a Calvin Klein Collection ao país é um dos maiores riscos já enfrentados pelo empresário. Na sua primeira investida na moda feminina, ele também escolheu uma das grifes mais sofisticadas do universo fashion. "Mas creio que é um momento propício, pois as brasileiras estão cada vez mais bem informadas", afirma.
Para começar, virão cerca de 80 looks -e as peças das pré-coleções serão em maior número, já que são menos complexas que as da coleção principal, aquela mostrada no desfile. Para tudo ficar mais interessante, o próprio Francisco Costa explicará a sua coleção para 50 clientes top da Daslu, numa tarde regada a champagne.

Fast fashion

RAIOS E TROVOADAS
O empresário Renato Kherlakian, fundador da Zoomp, vai criar uma nova grife. A estréia da marca acontece em maio, com o lançamento de uma coleção de verão. Renato vendeu a Zoomp em 2006 e permanece como diretor de criação da grife até o fim de seu contrato, que termina em 14 meses.

O TRUQUE DE KATE
Kate Moss enfureceu alguns fashionistas após declarar que a linha de roupas que desenvolveu para a cadeia de lojas Top Shop é formada por "amostras" de seu vasto closet. O "New York Post" disse que a top se limitou a reproduzir peças de outras grifes, e o designer britânico Jeff Banks acusou-a de ser uma oportunista incapaz de desenhar. Com a polêmica sobre as cópias, os críticos até criaram um apelido maldoso para a coleção:"Duplikate".

LILICA EM DOBRO
A grife infantil Lilica Ripilica, do grupo Marisol, abriu duas novas lojas na Europa: uma na Cidade do Porto, em Portugal, e outra em Madri, na Espanha. A marca também tem duas lojas na Itália, uma delas na luxuosa Via della Spiga, em Milão.
by estilo uol


com VIVIAN WHITEMAN


postado por 39470 as 04:57:46




0 comentários:
Comente este post
Início
Perfil
39470
Meu Perfil

Meus Links
Blog Grátis
Criar Blog
Manta Absorvente de Óleo
Hoteis

Palavras-Chave
Última
Moda

Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
PEDAGOGIA VOLTA
estilo e armani
estilo e armani
Arte no Banheiro
Markun é consenso no Conselho da Cultura
Última Moda
Cisne Negro chega à "idade da razão" e rememora sua trajetória
Tendências Verão 2007 - 15/09/2006
Memória do Brasil
Especialista em moda do Studio Berçot de Paris ministra conferências em São Paulo

Arquivos
2007, 01 maio
2007, 01 abril
2007, 01 março
2007, 01 fevereiro
2007, 01 janeiro
2006, 01 dezembro
2006, 01 novembro
2006, 01 outubro

25202 acessos


CRIAR BLOG GRATIS   
..