seixos da poesia
seixos da poesia
terça, 15 janeiro, 2008
THE WHITE RIVER

                                      THE WHITE RIVER

  A imensidão sobre as nuvens me encanta:

         encanta

   ao me fazer crer na existência.

 Existência  da sua face. Face em forma de linear centelha.

 Centelha intangivelmente a percorrer a infinitude de seu corpo.

 Corpo que chamam de céu azul. Como o azul da Poesia das mais suaves Flores,

Nomes,

    Doces amores nascidos da fátua pedra amarga dos meus fiéis, eternos                                                                                 

                                               Votos-de-Eunuco]

 

  Não, mas não é esse o motivo

   de eu olhar pra ele, o céu.

 Olhá-lo fixamente.

 Na verdade, quando assim o faço,

  é porque me brota uma esperança

  de que subitamente possa vê-la.

 Ver aquela suposta faísca invisível,

  que deitadamente reta,

   dizem, o seu próprio corpo atravessa.

 

  Sim, vejo-a então.

  Fico á procura

    de um caderno e uma caneta

    para fotografar no papel

    a imagem. A imagem de sua essência!

  E, ao fazê-lo, eu descubro. Descubro o verdadeiro nome.

  O nome da centelha. Seu nome é horizonte:

    linha tênue que tacitamente rasga o ar, as estrelas, o próprio céu...

    sem, tampouco, ainda que levemente, o tocar.

 

  Porque esse tanger

    não se porta como o tanger tátil.

  Não é o tanger tátil ou o corporal.

  Ele não possibilita o sentir da massa a preencher a mão, o corpo.

  Não, ele não faz com que sintamos a sua pressão...

  Não nos obriga a ceder espaço a ele.

  Não, o tanger do qual eu falo, não age assim. O tanger do qual eu falo, quer transmitir uma mensagem, quase em extinção, ao mundo. Uma mensagem de esperança áqueles socialmente moribundos. Que sigam.

  Sigam a trilha da universalização do amor. Do amor, hoje em dia, muito

                                                                                                      [Muito

em falta... em falta nesta Selva de Pedra. Neste sol nascer quadrado, onde, jaz, a cada dia mais definhante, a senhora da igualdade de direitos... das chances.

                                                                Da Liberdade!

Do ir e vir interminável!

  Desse modo, sigo:

    persigo, com a caneta,

    depois, com o lápis, esta linha.

  Assim como quando estamos a correr atrás duma arraia furtiva.

  Como quando nós nos encontramos na idade da picula,

                                                                                          Da estripulia]          

  Como quando, sofregamente, corremos atrás de uma garota tirada:

                               tirada á burguesa menina.

  Como quando entramos errônea e pressurosamente

                               numa congosta escondida.

  Como quando, inexplicavelmente, corremos á caça de uma pessoa

                               com a qual nunca topamos.

  Sim, como quando corremos atrás do infinito horizonte para lográ-lo,

                                                                                                   [Para dele

perto chegar. Não... realmente sem o podermos jamais.

                                   

                                        

                                         Porém,

  a imagem.                                                               A  sua essência!

                                  Capto-o em tudo.

   Em toda a sua extensão eu o capto...

                                           Usando somente o quê?

          A percepção.

                                 Com efeito, ela mesma.

    Sim, ela: a se materializar na ponta de minha caneta.                              

                             

                              Então apreendo a luz:

    apreendo a face:                                                 apreendo a linha!

                               Apreendo, enfim, o horizonte de mim acima:

  Esse ignoto caminho sempre a perseguir.

                                                                        Essa fonte de incertezas, á qual só a certeza da sequidão sabe o que está por vir.

                            Esse magma que arde, persegue e queima, me dizendo: prossiga. Ajude os outros a prosseguir!

                            Este horizonte

é a centelha.                                         É a luz da esperança.

                            É uma força ígnea.

É mais uma supernova.                        É aurora chegando para anunciar o

                                    começo duma nova manhã. Um novo dia

                                                                    A certeza do refrigerante e contínuo renascer da vida!     

JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA

JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA


postado por 86135 as 10:13:54 #
0 Comentários

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
Perfil
86135
Meu Perfil

Links
Blog Grátis

Palavras-Chave
poemando

Favoritos
seixos da poesia
mais...

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
A CROMÁTICA DA DOR
O ÊXTASE DA DOR IMPOSTA POR UM FANTASMA
NOVA LUA-NOVA DE DESTERRO
nóia de preto aleijado
A ERA DOS OUROPÉIS VERMELHOS
CENTELHA OPACA
O PESCADOR DE SEIXOS
A AURORA DE UM HOMEM
NOTURNOGRAFIA
MASOQUISMO

Arquivos
2008, 06 fevereiro
2008, 18 janeiro
2008, 16 janeiro
2008, 15 janeiro
2008, 14 janeiro
2008, 13 janeiro

4230 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..