seixos da poesia
seixos da poesia
terça, 15 janeiro, 2008
OTROS OJOS

                                   OTROS OJOS

 

 

Corpos primários, recônditos na minha neblina do olvido,

Guiem-me. Guiem-me até a porta onde ela,

                            Opaca madeira morta,

                                          Reside.

 

 

Mostrem-me a reflexão da luz

            ---- que incidida ----

Revela. Revela a vivacidade

De uma visão, desde então,

                        Imota,

                                                          Cega!

 

 

 

Ella ontem: Jovem Jóia Turmalina;

Antes, antes mesmo de Turmalina,

Era Esmeralda. Esmeralda, Verde,

De um verde que deveras fascina, açaima,

Cintila.

E que, num tempo tão recente,

Ainda intensamente em minha mente refulgia.   

 

 

Porém, hoje, o lago de inebriamento e enlevo

Evolou-se: volatilizando-se sua rainha.

Rainha do meu lago. Lago-Pensamento

Onde era Ondina. Ondina que se obliterou:

Caiu-me no esquecimento da cerebral retina.

 

 

Mas, assim, subitamente,

Uma palavra, o empuxo da recordação:

Recordação que a emergiu:

Emergiu como uma saudade morna,

Que se sente e se evapora.

Saudade que se sente

Quando alguém,

Há muito, partiu. Ah, foi-se embora.      

JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA 

                                       

postado por 86135 as 11:04:48 #
0 Comentários

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
Perfil
86135
Meu Perfil

Links
Blog Grátis

Palavras-Chave
OTROS
OJOS

Favoritos
seixos da poesia
mais...

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
THE WHITE RIVER
A CROMÁTICA DA DOR
O ÊXTASE DA DOR IMPOSTA POR UM FANTASMA
NOVA LUA-NOVA DE DESTERRO
nóia de preto aleijado
A ERA DOS OUROPÉIS VERMELHOS
CENTELHA OPACA
O PESCADOR DE SEIXOS
A AURORA DE UM HOMEM
NOTURNOGRAFIA

Arquivos
2008, 06 fevereiro
2008, 18 janeiro
2008, 16 janeiro
2008, 15 janeiro
2008, 14 janeiro
2008, 13 janeiro

4230 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..