O varal, um café e o infinito...
O varal, um café e o infinito...
terça, 13 novembro, 2007
TRÓPICO: “Si Hay Camino”


Estética não-estática do meio.

No meio, a encruzilhada impõe caminhos. Não é fácil chegar ao meio. O meio é a certeza de que há caminho, de volta, de ida.

Ou não.

Pode haver quebra na respiração que liga o mundo. Negar o passo que vai ou que vêm pressupõe revolução. Desconstrução do gesso cartográfico é surgimento do novo ponto eqüidistante que, mesmo matematicamente impossível, liga trópicos paralelos no infinito das translações e rotações embriagantes.

Desplanejar a rota soa como se os rumos afetivos se dissolvessem aos conformes do padrão imposto.

Portanto, surpresa: é aí que se descobre a liberdade, palavra irmã da imaginação alada que transforma chão em imensidão, padrão em nudez.

E diante do cabresto que bifurca, se a escolha for o caminho estático, sucumbir ao passo se torna caminho.

E no meio do caminho, caminho.§

Lucas Limberti

- Leia sempre o Varal do infinito e estenda seu comentário -

"Os textos publicados podem sem utilizados para outros fins desde que se respeite autoria"


postado por 35821 as 08:44:58 #
4 Comentários

Helô:
Confesso q li esse texto várias vezes p/ conseguir entender um pouquinho.Ele é muito confuso não estou dizendo com isso q seja ruim,mas creio q entendi seu objetivo,talvez vc queira passar essa confusão p/ realidade,já q realmente os caminhos da vida são loucura.O q mais gostei foi essa parte:"O meio é a certeza de que há caminho, de volta, de ida.Ou não"


quinta, dezembro 27, 2007 08:22 

Cláudia:
Lucas! E o que vale é a gente curtir o caminho, semear em suas margens cores, perfumes, fazer descansos, trilhas, colocar uma placa indicativa da sua marca, da sua estrada. E... se ela puder abrigar outros peregrinos, melhor, se não, que ela se baste por sua caminhada! Bons caminhos pra você sempre! É bom encontrar um varal como esse pra poder estender um pouquinho de nossas estradas nele! Obrigada por esse agradável pedágio!
sábado, novembro 24, 2007 10:06 

Clélia:
As escolhas dos nossos caminhos são sempre muito confusos, pois dentro de um existem outros, e muito não tem volta, a opção é seguir em frente ou mudar a sua rota.
Caminhos afetivos e profissionais são os mais dificeis, se não usarmos a máscara da hipocresía creio qua jornada fica menos árdua e teremos a certeza que estamos fazendo melhor as nossas escolhas.

sexta, novembro 16, 2007 12:33 

Lucciana Marya:
Sempre que me encontro nas encruzilhadas da vida, mergulho nessas sábias palavras, que além de nos fazer achar alternativas, nos faz tirar o melhor de cada caminho/obstáculo:
"De tudo na vida ficam três coisas: a certeza de que estamos sempre começando...a certeza de que precisamos continuar...a certeza de que seremos interrompidos antes de terminar... Portanto devemos: Fazer da interrupção um novo caminho...da queda, um passo de dança..., do medo, uma escada..., do sonho, uma ponte..."

Fernando "A" Pessoa.. Baci
quinta, novembro 15, 2007 10:49 

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
§ Perfil Varal do Infinito §
35821
Meu Perfil

35512 acessos

Favorite o Varal
O varal, um café e o infinito...
mais...

adicionar aos meus favoritos


Quem faz o café


Canapés Anteriores
DIÁRIO DA LUA: “Só falta água oxigenada na pinga”
CUMPLICIDADE: “Autocrítica ao vácuo ”
INCIDENTE: "Rubro furto de pétala viva"
LUTO: "O Palhaço e o Tenor"
EDUCAÇÃO: “A dor que deveras sente”
A crônica sonata de Doralice
CRÔNICA: "O casamento do porteiro"
REVISTA MALAGUETA: Pimenta na 'Divina bandidagem'
CUMPLICIDADE: "Lições da gente do teatro"
TEATRO: Macunaíma encena Homem Elefante, Frankenstein e Corcunda de Notre Dame

Arquivos - Roupa Seca
2011, 01 maio
2011, 01 fevereiro
2010, 01 julho
2009, 01 março
2008, 01 outubro
2008, 01 setembro
2008, 01 agosto
2008, 01 junho
2008, 01 maio
2008, 01 janeiro
2007, 01 novembro
2007, 01 outubro
2007, 01 setembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 abril
2007, 01 março
2007, 01 fevereiro
2007, 01 janeiro
2006, 01 dezembro
2006, 01 novembro
2006, 01 outubro
2006, 01 setembro

Ventos Afins...
A Procura da poesia
Revista Malagueta
Blog do Feliperas
Projeto Vinagrete

Palavras-Chave
Cancêr
Capricórnio

Poesia do mês
PERFUME DE ENIGMA
Escritos os desejos de enigma
me revelam as senhas do mundo.
Assim expostos calam a dor pungente
que faz das veias montanha-russa.
As vibrações harmônicas e pulsos poéticos
que partem do coração deságuam lúcidos
nas secas mãos do poeta.
Ávido descubro segredos de rodapé.
Ondas furtivas que remetem ao ainda.
Quanto mais se descobre,
mais sinto os respingos de suor
cobertos pelo convite do que virá.
Tramo planos e junto pistas
para destravar o universo
e vê-lo girar, solto, hipnótico,
ao meu alcance.
As cores aladas que se projetam
dos abissais limites de minha retina
são resposta calada do grito do mundo.
Dos sons almejo sinfonias
Das cores, arco-íris.
Do ouro, alquimia.
Do amor refuto.
Lucas Limberti


Bula de rodapé
Neste varal se "estende"o verso que vê do avesso, críticas noticiáveis, episódios poéticos, prazer e arte.
CRIAR BLOG GRATIS   
..