O varal, um café e o infinito...
O varal, um café e o infinito...
segunda, 26 novembro, 2007
CINEMA E EDUCAÇÃO: “Vermelho como o céu”


"O azul é como o vento no rosto quando andamos de bicicleta"

Após assistir o filme “Vermelho como o céu” cujo personagem principal é um menino italiano cego, resolvi criar uma situação hipotética em que me coloco como um professor que deveria preparar uma aula para ele. Acompanhe o bom ensaio de Miguel Barbieri Jr. para imergir no contexto do enredo do filme e em seguida o planejamento da aula!

O filme segue a fórmula certeira das encantadoras películas italianas que sempre contam com bela fotografia, trilha marcante e um bambino carregado de lirismo.

De vultos e sombras

Miguel Barbieri Jr.

Um ensaio sobre a cegueira no drama Vermelho como o Céu

O prêmio do público de melhor filme estrangeiro na Mostra Internacional do ano passado comprovou a força de Vermelho como o Céu junto às platéias. Inspirado numa edificante história verídica, esse drama italiano traz a fórmula certa do encantamento. Lá estão as boas atuações do elenco infantil, a poética leitura da cegueira e um desfecho capaz de levar os mais sensíveis às lágrimas. A trama tem início em 1970, num vilarejo da Toscana. Mirco (Luca Capriotti), de 10 anos, adora brincar com os amigos e acompanhar o pai nas idas ao cinema. Um acidente muda drasticamente o destino do garoto, após um tiro de rifle atingir seu rosto. O menino passa a enxergar apenas vultos e, por isso, é transferido para um colégio especial em Gênova. Já cego, faz novas amizades, paquera a filha da faxineira da escola e, teimoso, recusa-se a aprender o método Braile para poder ler. Às escondidas, apossa-se de um gravador e sai à procura de sons da natureza a fim de produzir uma radionovela. Foi desse modo que Mirco Mencacci passou a infância. Adulto, tornou-se músico, compositor e um reconhecido editor de som, que trabalhou para os cineastas Marco Tullio Giordana (em O Melhor da Juventude) e Ferzan Ozpetek (A Janela da Frente).

(http://vejasaopaulo.abril.com.br/red/trailers/vermelho_como_o_ceu.html )

-----------------------------

Uma aula para Mirco Balleri.

Analisar o filme em questão é interessante, pois ele retrata e discute a realidade dos métodos empregados para o ensino de crianças especiais, no caso cegas, na Itália da década de 70.

No filme, que é uma história verídica, o menino é um elemento chave da transformação na educação de crianças especiais neste período. Por isso, pensar em uma aula dedicada a ele surge como desafio, especialmente por se tratar de um ensino especializado e muito discutido.

Não cabe aqui tentar propor algo que seja novo e revolucionário, já que o conhecimento prévio das teorias e discussões a respeito destas formas de educação são dados específico e cabíveis de serem discutidos profundamente apenas por profissionais balizados e com tempo de pesquisa na área.

No entanto, o menino como elemento chave desta rearticulação do sistema de ensino permite uma discussão interessante não só no campo da educação especial, mas também como ponto de partida para a reflexão sobre todos os tentáculos da educação.

Partindo da premissa de que o professor em questão não é um especialista em educação de crianças especiais, o viés adotado no planejamento segue um pressuposto que nega a educação sob o ponto de vista tecnicista e engessado.

No filme, as aulas dadas no colégio especial para cegos formavam cidadãos para serem excluídos da sociedade, ou seja, o planejamento das aulas formavam técnicos em serviços mecânicos normalmente manuais e que não exigiam reflexão sob a ação. Por exemplo, a tecelagem de roupas ou conserto de cadeiras.

Uma aula para um cego deve estimular justamente os outros sentidos que ele possue, e que normalmente são mais aguçados e potencialmente trabalhados.

O uso da imaginação pode surtir efeitos inimagináveis. Como em uma passagem do filme em que Mirco explica para o colega como era a cor azul: “O azul é como o vento no rosto quando andamos de bicicleta”

Portanto, propor atividades que estimulem a imaginação deve balizar todo o planejamento. Uma aula interessante pode propor que este aluno conte uma história (começo, meio e fim), já trabalhando os conceitos teóricos da estrutura de uma narrativa, seja por meio de uma redação, seja ela com escrita em braile, ou por meio de gravação da voz.

A escolha do tema é importante também, pois deve ser um que leve o aluno a desenvolver mecanismos de defesa em relação a sua defasagem visual e o inclua no mundo como um sujeito capaz de realizar algo superior aos demais, e assim o coloque numa posição de dignidade e equilíbrio no mundo competitivo que vivemos.

Um bom tema seria escrever sobre música, pedir par que o aluno decifre e descorra em uma história as possibilidades de se dizer algo através de tons e melodias. Outro tema interessante seria a construção de poesias, levar o aluno ao conhecimento das figuras de linguagem, como por exemplo, a enorme possibilidade imaginária que pode se chegar com a metáfora.

Estas propostas feitas com direcionamento pedagógico do ponto de vista teórico podem surtir efeitos interessantes partindo sempre da premissa que leva em consideração a imaginação e a reflexão sobre a ação. §

Lucas Limberti

-------------------------

Vermelho Como o Céu

de Cristiano Bortone (Rosso come il Cielo, Itália, 2006, 96min).

Foto: Divulgação

- Leia sempre o Varal do infinito e estenda seu comentário -

"Os textos publicados podem sem utilizados para outros fins desde que se respeite autoria"


postado por 35821 as 12:24:56 #
3 Comentários

liessa:
Oi, Lucas!
Quanto tempo!
Senti falta de boa palavra e sensato tom desse varal infinito. Ainda quero ler os posts passados.. Por enquanto, não poderei comentar, mas já imagino que devem manter o que de melhor sempre tiveram..

Feliz Ano-novo!
sábado, dezembro 29, 2007 02:20 

Helô:
Gostei da dica do filme!!!!!Além do mais,retrata um fato verídico o q nos serve de lição,já q conta uma história de superação.Isso é bom,pois muitas vezes temos problemas tão banais,no entanto fazemos deles uma tempestade e nos entregamos no primeiro momento.
quinta, dezembro 27, 2007 08:09 

Magda:
Muito interessante. Gostei da dica do filme, vou assistir.
segunda, dezembro 10, 2007 08:35 

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
§ Perfil Varal do Infinito §
35821
Meu Perfil

35512 acessos

Favorite o Varal
O varal, um café e o infinito...
mais...

adicionar aos meus favoritos


Quem faz o café


Canapés Anteriores
TRÓPICO: “Si Hay Camino”
DIÁRIO DA LUA: “Só falta água oxigenada na pinga”
CUMPLICIDADE: “Autocrítica ao vácuo ”
INCIDENTE: "Rubro furto de pétala viva"
LUTO: "O Palhaço e o Tenor"
EDUCAÇÃO: “A dor que deveras sente”
A crônica sonata de Doralice
CRÔNICA: "O casamento do porteiro"
REVISTA MALAGUETA: Pimenta na 'Divina bandidagem'
CUMPLICIDADE: "Lições da gente do teatro"

Arquivos - Roupa Seca
2011, 01 maio
2011, 01 fevereiro
2010, 01 julho
2009, 01 março
2008, 01 outubro
2008, 01 setembro
2008, 01 agosto
2008, 01 junho
2008, 01 maio
2008, 01 janeiro
2007, 01 novembro
2007, 01 outubro
2007, 01 setembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 abril
2007, 01 março
2007, 01 fevereiro
2007, 01 janeiro
2006, 01 dezembro
2006, 01 novembro
2006, 01 outubro
2006, 01 setembro

Ventos Afins...
A Procura da poesia
Revista Malagueta
Blog do Feliperas
Projeto Vinagrete

Palavras-Chave
Cinema
e
Educação

Poesia do mês
PERFUME DE ENIGMA
Escritos os desejos de enigma
me revelam as senhas do mundo.
Assim expostos calam a dor pungente
que faz das veias montanha-russa.
As vibrações harmônicas e pulsos poéticos
que partem do coração deságuam lúcidos
nas secas mãos do poeta.
Ávido descubro segredos de rodapé.
Ondas furtivas que remetem ao ainda.
Quanto mais se descobre,
mais sinto os respingos de suor
cobertos pelo convite do que virá.
Tramo planos e junto pistas
para destravar o universo
e vê-lo girar, solto, hipnótico,
ao meu alcance.
As cores aladas que se projetam
dos abissais limites de minha retina
são resposta calada do grito do mundo.
Dos sons almejo sinfonias
Das cores, arco-íris.
Do ouro, alquimia.
Do amor refuto.
Lucas Limberti


Bula de rodapé
Neste varal se "estende"o verso que vê do avesso, críticas noticiáveis, episódios poéticos, prazer e arte.
CRIAR BLOG GRATIS   
..