O varal, um café e o infinito...
O varal, um café e o infinito...
sexta, 25 janeiro, 2008
SÃO PAULO: “Uma crônica de aniversário”*


Não seio o que ela fazia às 23hs daquela terça-feira num ponto de ônibus da avenida Raposo Tavares. Talvez estivesse ali esperando uma condução para casa após alguma daquelas intermináveis festinhas e calouradas da Universidade de São Paulo.

O ponto estava cheio de gente e ela lá com uma cara um tanto quanto ocupada. De repente, estaciona um coletivo apressado e a massa se desfaz. Um a um vão subindo aliviados, a maioria e logo todos.

A cada pessoa que tomava seu destino naquele esperançoso expresso da meia-noite transformava seu rosto ocupado em um receio e ao que de pronto num olhar amedrontado pela repentina solidão que se intensificava com aquela garoa fina e gelada que a escuridão expirava.

Medo. Ela estava notadamente guiada pelo assombro de ficar sozinha naquele canto ermo da esquecida cidadania empinada paulistana.

-Dá o dinheiro! Grita um maninho que na companhia de um comparsa a ameaça com uma suposta faca no moletom.

Ela ficou em pânico, entregou tudo, bolsa, carteira e implorou por sua vida. Nem havia tanto dinheiro em sua carteira e era bem possível que não houvesse uma faca na mão daquele ameaçador distúrbio social.

Como ela parecia prever aquele assalto, seu senso de culpa começou a causar uma espécie de nó na sua concentração. Os bandidos percebendo o suor frio e o aspecto de choque da garota devolveram o dinheiro da condução e pediram calma.

Aquele pedido de calma surgiu como um signo verbal afetivo e misturou-se a embriagues sensacional daquela situação limítrofe.

Os dois elementos já iam se encaminhando para a fuga quando ela grita:

-Hei, vocês podem ficar comigo até o ônibus chegar? Estou com medo, aqui é perigoso! §

Lucas Limberti

*Baseado em fatos reais

- Leia sempre o Varal do infinito e estenda seu comentário -

"Os textos publicados são protegidos pela lei de respeito ao direito autoral"


postado por 35821 as 03:20:52 #
5 Comentários

Cláudia:
Essa situação é mais uma demosntração da carência humana, uns de grana, outros de companhia, outros de ética, outros de fé, de certezas que somos todos humanos no " fim das contas"!
Sempre bom estender nossas emoções por aqui!
domingo, maio 25, 2008 03:03 

Lucas Limberti:
Pois então...
foi uma livre inspiração numa história maluca que ela me contou...rs. E quando a gente usa a palavra "livre" significa que podemos contá-la ao sabor que nos "dá na telha"...
Legal que anda lendo meus textos! Volte sempre que será bem vinda pelas passagens do Varal!
bejim.

Lucas Limberti
O varal, um café e o infinito...
quinta, maio 22, 2008 09:52 

Dinha:
Boa noite...

por acaso essa sua crônica SÃO PAULO: “Uma crônica de aniversário”* é a historia de uma noite da nossa querida professora Bruna. ?

Ficou ótima.. sendo ou não dela.

Abraços
quinta, maio 22, 2008 09:50 

Cecília:
Quêde Lucas?
Bom te ler, sempre.
=*
sábado, março 29, 2008 10:00 

Magda:
Sempre leio suas crônicas. São ótimas.
terça, fevereiro 12, 2008 04:35 

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
§ Perfil Varal do Infinito §
35821
Meu Perfil

35512 acessos

Favorite o Varal
O varal, um café e o infinito...
mais...

adicionar aos meus favoritos


Quem faz o café


Canapés Anteriores
CINEMA E EDUCAÇÃO: “Vermelho como o céu”
TRÓPICO: “Si Hay Camino”
DIÁRIO DA LUA: “Só falta água oxigenada na pinga”
CUMPLICIDADE: “Autocrítica ao vácuo ”
INCIDENTE: "Rubro furto de pétala viva"
LUTO: "O Palhaço e o Tenor"
EDUCAÇÃO: “A dor que deveras sente”
A crônica sonata de Doralice
CRÔNICA: "O casamento do porteiro"
REVISTA MALAGUETA: Pimenta na 'Divina bandidagem'

Arquivos - Roupa Seca
2011, 01 maio
2011, 01 fevereiro
2010, 01 julho
2009, 01 março
2008, 01 outubro
2008, 01 setembro
2008, 01 agosto
2008, 01 junho
2008, 01 maio
2008, 01 janeiro
2007, 01 novembro
2007, 01 outubro
2007, 01 setembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 abril
2007, 01 março
2007, 01 fevereiro
2007, 01 janeiro
2006, 01 dezembro
2006, 01 novembro
2006, 01 outubro
2006, 01 setembro

Ventos Afins...
A Procura da poesia
Revista Malagueta
Blog do Feliperas
Projeto Vinagrete

Palavras-Chave
criminalidade

Poesia do mês
PERFUME DE ENIGMA
Escritos os desejos de enigma
me revelam as senhas do mundo.
Assim expostos calam a dor pungente
que faz das veias montanha-russa.
As vibrações harmônicas e pulsos poéticos
que partem do coração deságuam lúcidos
nas secas mãos do poeta.
Ávido descubro segredos de rodapé.
Ondas furtivas que remetem ao ainda.
Quanto mais se descobre,
mais sinto os respingos de suor
cobertos pelo convite do que virá.
Tramo planos e junto pistas
para destravar o universo
e vê-lo girar, solto, hipnótico,
ao meu alcance.
As cores aladas que se projetam
dos abissais limites de minha retina
são resposta calada do grito do mundo.
Dos sons almejo sinfonias
Das cores, arco-íris.
Do ouro, alquimia.
Do amor refuto.
Lucas Limberti


Bula de rodapé
Neste varal se "estende"o verso que vê do avesso, críticas noticiáveis, episódios poéticos, prazer e arte.
CRIAR BLOG GRATIS   
..