O varal, um café e o infinito...
O varal, um café e o infinito...
quinta, 22 maio, 2008
CINEMA: “Indiana vovô frustra expectativas”


Rock o lutador, Rambo e agora Indiana Jones revelam a falência do novo.

Dezenove anos depois de “A última cruzada” a Paramount lança “Indiana Jones e o Reino da Caverna de Cristal”. A expectativa era grande e na estréias desta quarta-feira, 21 de maio, as salas de cinema estavam lotadas para ver as aventuras do famoso professor de chapéu e chicote na mão. Mas não demoraram a esvaziar.

Indiana Jones, vivido pelo ator Harrison Ford está fora de forma e as cenas de ação, me perdoe Spielberg, beiram o bufonismo. Além disso, o filme é explicativo e cansa os telespectadores com um emaranhado de inúmeros fios narrativos que parecem tentar suprir a falta de um bom enredo. Depois das pedras sagradas, arcas e do Santo Graal, desta vez Indy procura caveiras de cristal de incrível poder magnético e de origem extraterrestre, pois é até ET’s aparecem nas mãos dos russos que, para variar, querem destruir o mundo.

A tendência de filmes que retomam os heróis dos anos 80 parece encontrar um público novo em busca de novas aventuras e heróis que contemplem um ideal renovado de futuro que corresponda os anseios e indagações coletivas contemporâneas. O novo mundo já se cansou das histórias onde o bem figura-se nos EUA e o mal nas nações que se opõe ao imperialismo. O “reino da caveira de cristal” se passa em 1957 e levanta a mumificada relação de enfrentamento de Guerra Fria entre americanos e russos.

Sinceramente. Não sei como o filme termina, na metade da película muitos entediados, como eu, abandonaram a aventura que deveria ter se resumida a última (cruzada). §

Lucas Limberti

-------------------------

Indiana Jones e o Reino da Caverna de Cristal

de Steven Spielberg (EUA, 2008, 122min).

Foto: Divulgação

Leia também - CINEMA: “Imag(in)em Koyaanisqatsi”

- Leia sempre o Varal do infinito e estenda seu comentário -

"Os textos publicados são protegidos pela lei de respeito ao direito autoral"


postado por 35821 as 11:16:03 #
2 Comentários

Papas:
Quel buon che ha ritornato…
Debitore, baci!!!

segunda, junho 02, 2008 01:30 

Guila:
até que enfim postou um novo aqui hein!

e minhas tardes de ócio??
como ficam???
rsrs...
sexta, maio 30, 2008 10:50 

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
§ Perfil Varal do Infinito §
35821
Meu Perfil

35512 acessos

Favorite o Varal
O varal, um café e o infinito...
mais...

adicionar aos meus favoritos


Quem faz o café


Canapés Anteriores
SÃO PAULO: “Uma crônica de aniversário”*
CINEMA E EDUCAÇÃO: “Vermelho como o céu”
TRÓPICO: “Si Hay Camino”
DIÁRIO DA LUA: “Só falta água oxigenada na pinga”
CUMPLICIDADE: “Autocrítica ao vácuo ”
INCIDENTE: "Rubro furto de pétala viva"
LUTO: "O Palhaço e o Tenor"
EDUCAÇÃO: “A dor que deveras sente”
A crônica sonata de Doralice
CRÔNICA: "O casamento do porteiro"

Arquivos - Roupa Seca
2011, 01 maio
2011, 01 fevereiro
2010, 01 julho
2009, 01 março
2008, 01 outubro
2008, 01 setembro
2008, 01 agosto
2008, 01 junho
2008, 01 maio
2008, 01 janeiro
2007, 01 novembro
2007, 01 outubro
2007, 01 setembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 abril
2007, 01 março
2007, 01 fevereiro
2007, 01 janeiro
2006, 01 dezembro
2006, 01 novembro
2006, 01 outubro
2006, 01 setembro

Ventos Afins...
A Procura da poesia
Revista Malagueta
Blog do Feliperas
Projeto Vinagrete

Palavras-Chave
cinema

Poesia do mês
PERFUME DE ENIGMA
Escritos os desejos de enigma
me revelam as senhas do mundo.
Assim expostos calam a dor pungente
que faz das veias montanha-russa.
As vibrações harmônicas e pulsos poéticos
que partem do coração deságuam lúcidos
nas secas mãos do poeta.
Ávido descubro segredos de rodapé.
Ondas furtivas que remetem ao ainda.
Quanto mais se descobre,
mais sinto os respingos de suor
cobertos pelo convite do que virá.
Tramo planos e junto pistas
para destravar o universo
e vê-lo girar, solto, hipnótico,
ao meu alcance.
As cores aladas que se projetam
dos abissais limites de minha retina
são resposta calada do grito do mundo.
Dos sons almejo sinfonias
Das cores, arco-íris.
Do ouro, alquimia.
Do amor refuto.
Lucas Limberti


Bula de rodapé
Neste varal se "estende"o verso que vê do avesso, críticas noticiáveis, episódios poéticos, prazer e arte.
CRIAR BLOG GRATIS   
..