O varal, um café e o infinito...
O varal, um café e o infinito...
quarta, 25 março, 2009
MELP: "Conheça a Revista de Metodologia do Ensino de Português"


Apresentação

“Porque há para todos nós um problema sério...
Este problema é o do medo”.
(Antônio Candido,
Plataforma de uma geração ).


A Revista MELP é uma publicação que reúne artigos elaborados a partir da experiência de pesquisa nos estágios da disciplina Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa I e II na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo - USP.

No estágio, o aluno de Letras deve cumprir um período de observação e um período de regência. Naquele ele faz anotações sobre as aulas, sobre os métodos do professor, sobre a relação dentro da sala; já nesta, deve intervir no processo de aprendizagem, assumindo a condição de professor e desenvolvendo atividades com os alunos anteriormente observados.

A revista se coloca então, como um meio de divulgar tais experiências, de modo a contribuir para a reflexão da formação do aluno de Letras e, para a reflexão do processo ensino-aprendizagem, publicizando trabalhos que antes seriam potenciais acumuladores de poeira.

Além destas possibilidades mais nobres, o aluno de graduação tem a oportunidade de publicar um artigo na e sobre a graduação. Experiência que o coloca diante de situações-chave para sua formação: elaboração de texto científico, resgate de reflexões já passadas, exposição de suas idéias, políticas de publicações etc.

Procuramos ver nos textos selecionados (e priorizar na seleção) o que entendemos como sendo o caráter do processo de aprendizagem e, qual postura deva ter o futuro e o atual professor. Sendo assim, é possível encontrar nesta publicação textos que tratam da potencialização de mudanças sociais as quais atravessam o indivíduo numa fase de extrema importância em sua vida: a escola.

Os textos escolhidos têm um movimento similar, ao passo que relatam experiências positivas na escola, procuram propor alternativas às experiências negativas. Nada inovador tal processo, no entanto este óbvio (elementar) muitas vezes nos escapa, ora porque se dilui nas queixas, ora é abafado pelas condições precárias de trabalho e de formação profissional. §

Lucas Luciano Limberti
Rafael Barreto do Prado

(Comitê editorial – 2ª. Ed)

VISITE: 

http://www2.fe.usp.br/~lalec/MELP/arevista.htm

- Leia sempre o Varal do infinito e estenda seu comentário -

"Os textos publicados são protegidos pela lei de respeito ao direito autoral"


postado por 35821 as 05:49:32 #
0 Comentários

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
§ Perfil Varal do Infinito §
35821
Meu Perfil

35512 acessos

Favorite o Varal
O varal, um café e o infinito...
mais...

adicionar aos meus favoritos


Quem faz o café


Canapés Anteriores
ASSASSINATO: “Sangue sem juízo, sem carnaval”
PRECONCEITO: “Os vários lados de uma mesma moeda”
CARIOCAS: “Era uma vez um pobre povo da gema podre”
POESIA: “Do verso ao gerúndio telemarketing”
ESCOLA: “Lembranças do agora”
CINEMA: “Indiana vovô frustra expectativas”
SÃO PAULO: “Uma crônica de aniversário”*
CINEMA E EDUCAÇÃO: “Vermelho como o céu”
TRÓPICO: “Si Hay Camino”
DIÁRIO DA LUA: “Só falta água oxigenada na pinga”

Arquivos - Roupa Seca
2011, 01 maio
2011, 01 fevereiro
2010, 01 julho
2009, 01 março
2008, 01 outubro
2008, 01 setembro
2008, 01 agosto
2008, 01 junho
2008, 01 maio
2008, 01 janeiro
2007, 01 novembro
2007, 01 outubro
2007, 01 setembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 abril
2007, 01 março
2007, 01 fevereiro
2007, 01 janeiro
2006, 01 dezembro
2006, 01 novembro
2006, 01 outubro
2006, 01 setembro

Ventos Afins...
A Procura da poesia
Revista Malagueta
Blog do Feliperas
Projeto Vinagrete

Palavras-Chave
MELP

Poesia do mês
PERFUME DE ENIGMA
Escritos os desejos de enigma
me revelam as senhas do mundo.
Assim expostos calam a dor pungente
que faz das veias montanha-russa.
As vibrações harmônicas e pulsos poéticos
que partem do coração deságuam lúcidos
nas secas mãos do poeta.
Ávido descubro segredos de rodapé.
Ondas furtivas que remetem ao ainda.
Quanto mais se descobre,
mais sinto os respingos de suor
cobertos pelo convite do que virá.
Tramo planos e junto pistas
para destravar o universo
e vê-lo girar, solto, hipnótico,
ao meu alcance.
As cores aladas que se projetam
dos abissais limites de minha retina
são resposta calada do grito do mundo.
Dos sons almejo sinfonias
Das cores, arco-íris.
Do ouro, alquimia.
Do amor refuto.
Lucas Limberti


Bula de rodapé
Neste varal se "estende"o verso que vê do avesso, críticas noticiáveis, episódios poéticos, prazer e arte.
CRIAR BLOG GRATIS   
..