Mais de Vendas Diretas
Vedeo Reportagem Sobre vendas Diretas JOrnal TV Gazeta
postado por 126924 em 08:26:13 :
0 comentários :
Noticias

Vendas diretas crescem 18,3% no primeiro semestre 

Folha Online

O setor de vendas diretas movimentou cerca de R$ 9,586 bilhões no primeiro semestre deste ano, superando o mesmo período do ano anterior em 18,3%. Descontada a inflação do período, o crescimento foi de 12,8%, de acordo com a ABEVD (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas).

O número de revendedores registrou alta de 17,8% nesse comparativo, chegando a 2,221 milhões em todo o país.

O crescimento do número de revendedores é um indicador de que ainda há muito espaço para o setor crescer, aponta a entidade. "A entrada de muitos novos revendedores, ainda inexperientes, reduz temporariamente o índice de venda média, mas, em pouco tempo, o aprendizado alavanca a venda", afirma Lírio Cipriani, presidente da ABEVD.

O setor de vendas diretas é composto por empresas de vários segmentos, sendo 88% da categoria de cuidados pessoais, 6% de suplementos nutricionais, 5% de cuidados do lar, e 1% de serviços e outros.

O setor de vendas diretas movimentou cerca de R$ 9,586 bilhões no primeiro semestre deste ano, superando o mesmo período do ano anterior em 18,3%. Descontada a inflação do período, o crescimento foi de 12,8%, de acordo com a ABEVD (Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas).

O número de revendedores registrou alta de 17,8% nesse comparativo, chegando a 2,221 milhões em todo o país.

O crescimento do número de revendedores é um indicador de que ainda há muito espaço para o setor crescer, aponta a entidade. "A entrada de muitos novos revendedores, ainda inexperientes, reduz temporariamente o índice de venda média, mas, em pouco tempo, o aprendizado alavanca a venda", afirma Lírio Cipriani, presidente da ABEVD.

O setor de vendas diretas é composto por empresas de vários segmentos, sendo 88% da categoria de cuidados pessoais, 6% de suplementos nutricionais, 5% de cuidados do lar, e 1% de serviços e outros.

Acompanhe esta Curiosidae a mais:

ICMS não incide sobre venda direta de veículos
Extraído de: Expresso da Notícia  -  13 de Junho de 2007

A operação de compra e venda de automóveis não se confunde com a mera entrega destes por concessionária filiada à montadora e não é fato gerador de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Essa foi a decisão da maioria da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que acompanhou o voto-vista da ministra Denise Arruda.

Uma concessionária de veículos moveu ação contestando a execução fiscal do Estado de Minas Gerais contra a empresa e a incidência de juros e multas, considerando isso como confisco irregular. No recurso ao STJ, a empresa queria garantir os embargos que opôs contra a execução e alegou estar amparada no artigo 15 da Lei n. 6.729 , de 1979 . O artigo garantiria que não haveria a cobrança do ICMS em vendas diretas em que as concessionárias fizessem o papel de meras intermediárias para clientes especiais, como a administração pública, corpo diplomática etc.

Acrescentou que, mesmo com a venda ocorrendo em empresa situada em São Paulo, mas com o contrato sendo efetuado em Minas Gerais, não poderia haver outra cobrança do imposto que já teria ocorrido na venda direta. Além disso, também foi alegado que os artigos 9º, 97, inciso III, 108, parágrafo 1º , e 114 do Código Tributário Nacional teriam sido violados, já que a instância inferior usou analogia para equiparar o caso de revenda e de venda direta pela montadora.

Já o Estado de Minas alegou que o artigo da Lei n. 6.729 /79 teria sido afastado por prova pericial e seu reexame violaria a súmula 7 do STJ , que proíbe o reexame de provas. Além disso, essa lei não é tributária e não poderia alterar a definição do fato gerador de impostos. Por fim, afirmou-se que o contrato mercantil se firmou em Minas Gerais e que as mercadorias vieram de fora do estado, o que implicaria a cobrança do ICMS.

Em seu voto-vista, a ministra Denise Arruda considerou que não houve operação de venda ou revenda de veículos, mas mera entrega dos veículos. A ministra ressaltou que o dispositivo legal autoriza a venda direta, mesmo sem pedido prévio da concessionária. A Lei n. 6.729 /79 também não obrigaria a empresa a imitir nota fiscal, descaracterizando o fato gerador do imposto sobre circulação.

A ministra destacou também que a compra foi feita pela Febem do estado, pela Secretaria Estadual de Segurança Pública e que a concessionária recebeu apenas comissões pela intermediação, devidamente contabilizadas. Para a magistrada, teria havido uma "equivocada valoração da prova apresentada nos autos". Além disso, a mera análise das provas contidas nos autos não seria contrária à súmula 7 . Com esse entendimento, a ministra deu provimento ao recurso para embargar a execução fiscal. Ficou vencido o ministro Teori Zavascki.

postado por 126924 em 11:21:01 :
0 comentários :
Oportunidades

Futurah Agencia de Empregos

Precisando de um emprego novo? Eles podem ajudar você, e nós tb..rsr..acesse o site para a região de Bertioga e Praia Grande. Eu confio!

Acesse: www.futurah.com.br

postado por 126924 em 12:01:02 :
2 comentários :
CRIAR BLOG GRATIS   
..