Blog do Carlos César
Blog do Carlos César

segunda, 19 março, 2007
É brincadeira

FÁBIO ZANINI
LEONARDO SOUZA

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Cotado para o Ministério da Agricultura, o deputado federal Waldemir Moka (PMDB-MS) revelou-se ontem um admirador do presidente Lula e se colocou à disposição para ajudar seu governo e o país.
Moka era, meses atrás, um dos principais líderes da facção pró-Geraldo Alckmin em seu partido e crítico do governo.
"É um segundo mandato, novo começo. Estou disposto a colaborar, se houver convite. Não teria direito de dizer não a um chamado do presidente e a uma indicação do partido", disse. Levantamento dos discursos do deputado na Câmara mostra um parlamentar mordaz contra várias políticas do governo.
"Não adianta essa história de Bolsa Família (...). Daqui a pouco, metade da população terá de receber algum tipo de auxílio por meio de bolsas porque acabará o emprego", afirmou, em fevereiro do ano passado.
Ontem, ele tentava explicar a crítica. "Não desqualifico o Bolsa Família, que considero importante. O problema é a perda de eficácia do programa em um cenário de juros altos e câmbio sobrevalorizado", afirmou.
No início da campanha eleitoral, Moka batalhou pelo apoio de seu partido a Alckmin.
"Segundo a imprensa, o PMDB já está com o presidente Lula. Não é verdade!", disse na época.
No ano passado, envolveu-se em disputa tensa pela liderança da bancada na Câmara com Wilson Santiago (PB), da ala lulista e foi derrotado.
O deputado disse que sua disputa política com o PT é decorrência da situação regional que ele vive. "Meu adversário é o PT de Mato Grosso do Sul. Apoiamos a candidatura do Alckmin porque temos rivalidade histórica com os petistas no Estado", declarou ele, que é presidente estadual do PMDB e cujo principal obstáculo ao ministério deve ser a oposição do ex-governador de MS, Zeca do PT. Primos, Moka e Zeca são inimigos políticos. Zeca passou o fim de semana com Lula, segundo um assessor do petista.
Em julho de 2006, Moka foi citado no primeiro depoimento à Justiça do empresário Luiz Antônio Vedoin, acusado de ser chefe da máfia dos sanguessugas. Um mês depois, Vedoin o inocentou. Moka não foi citado no relatório final da CPI.
"Com relação ao deputado Waldemir, apesar de ter sido tratado pagamento de 10%, a título de comissão [por emenda destinada à compra de ambulância], nenhum valor chegou a ser repassado", disse Vedoin inicialmente à Justiça. Em agosto de 2006, em depoimento à CPI, o empresário disse que "não houve tratativa".


Colaborou HUDSON CORRÊA , da Agência Folha, em Rondonópolis

Folha de São Paulo - 19.03.2007



postado por 27223 as 08:44:54
0 comentários:

Comente este post
Início
Perfil
27223
Meu Perfil

Meus Links
>> Blog Grátis
Criar Blog
Manta Absorvente de Óleo
Hoteis

Palavras-Chave
>> Política

Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
>> Não tem jeito
>> E agora$
>> A vida privada do Zé
>> Ainda nos arrependeremos
>> Agora sim
>> Eles reelegeram Bush
>> São Paulo vence Ponte Preta e assume liderança provisória do Estadual
>> O que Tarso Genro pensa sobre isso...
>> Sem sono
>> Ele disse adeus...

Arquivos
março 01/2007
fevereiro 01/2007
janeiro 01/2007
dezembro 01/2006
novembro 01/2006
outubro 01/2006
setembro 01/2006
agosto 01/2006
julho 01/2006
junho 01/2006
maio 01/2006

34841 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..