EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO
EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO
domingo, 28 outubro, 2007
MEU AMIGO POETA NÃO MORREU! AFFONSO MANTA VIVE!


Affonso Manta: o poeta encantado


Affonso Manta Alves Dias nasceu em Salvador, Bahia, a 23 de agosto de 1939. Faleceu em 3 de dezembro de 2003 em Poções, Bahia. Com três meses de idade, passou a residir em Iguaí, onde permaneceu até janeiro de 1950, quando a família se transferiu para Poções, cidade do Sudoeste Baiano.

De volta a Salvador, o poeta freqüentou o curso de Ciências Sociais na Universidade Federal da Bahia (UFBA), mas acabou por abandoná-lo. Trabalhou, em seguida, como guia do Museu de Arte Sacra e repórter do Diário de Notícias. Trabalhou na Diretoria Regional da Guanabara como inspetor da Seção de Reclamações da Empresa de Correios e Telégrafos, no Rio de Janeiro. Enfermo, retornou a Poções, onde voltou a viver desde novembro de 1974, aposentado da ECT.

Por parte de pai, o poeta é primo em quarto grau de Castro Alves, devido à sua descendência, por linha direta, de João José Alves, o alferes, irmão do médico Antonio José Alves, pai do Poeta dos Escravos.

Publicou os seguintes livros de poemas: A Cidade Mística (1971), O Colibri, a Cidade Mística e outros Poemas (1980), O Retrato de um Poeta (1983), No Meio da Estrada (1991) Canção da Rua da Poeira e outros Poemas (1994), e O Falso Crente, A Princesa Nua, O Pássaro e o Poeta e O Estranho na Terra (1995). Participou das antologias A Poesia Baiana no Século XX (org. Assis Brasil, 1999), A Paixão Premeditada (org. Simone Lopes Pontes Tavares, 2000) e Sete Cantares de Amigos (org. Miguel Antônio Carneiro, 2003).

Integrante da Geração Sessenta, Affonso Manta tinha sua poesia marcada pelo lirismo e pela construção de uma realidade particular, na qual assumia a postura de um rei andarilho, que desfilava pelas ruas e praças “Adornado de estrelas e de luas (...)/ à procura da forma da beleza”. Pois era “O campeão da originalidade/ o peregrino astral”.

A poeta e ensaísta Maria da Conceição Paranhos, na apresentação da antologia Sete Cantares de Amigos, atenta para as múltiplas vozes do poeta: “Seu banquete – assim podemos denominar seu modo de apropriação da realidade – é servido por outros eus que dele desabrocham e vão guiando seu passo célere, a desvendar essências” e conclui “apenas um eu não o poderia”. Assim, em um mesmo ser, habitam o louco: “Enlouqueci, um girassol nasceu em minha boca.”; o rei: “Aqui, o Rei Affonso, o Derradeiro”; o menino: “Eu sou feliz porque já sou menino”; o anjo: “Anjo de luz do sacrossanto empíreo” e o andarilho: “Vou sair por aí de cambulhada”.

Outra face da poesia de Manta é a refinada ironia. Simone Lopes Pontes Tavares, em A Paixão premeditada, afirma que nos poemas de Manta “O debique é constante, inclusive do eu poético, numa linguagem cinematográfica a transformar o cidadão comum em clown, misto de Quixote e Chaplin”, como se pode perceber no poema “Lá vai Affonso Manta”: “(...) lá vai Affonso Manta (...)/ Coroa de alumínio sobre o crânio,/ Lapelas enfeitadas de gerânio/ E flechas no carcás”.

Deste poeta lírico da “Terra das Cacimbas”, que nas palavras do poeta Ruy Espinheira Filho, seu amigo, foi um encantado a vida inteira, ficam a beleza de seus versos, a leveza de sua técnica e, sobretudo, a lição da simplicidade com que encarava a vida, como no poema “As Luzes do Amanhã”, em que nos ensina: “Fazer da brisa um traje sem medida/ E do arco-íris fazer um tobogã./ Amar as mínimas coisas da vida/ E ter no olhar as luzes do amanhã.”


ENCONTRO COM O POETA

 

Conheci a poesia de Affonso Manta por meio do poeta Ruy Espinheira Filho, quando fui seu aluno em uma disciplina do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia. Fiquei fascinado pelo lirismo do autor de “O louco”. Pedi a Ruy o seu endereço e falei que, em breve, faria uma visita ao poeta da Terra das Cacimbas.


***

Chegamos a Poções, às 10 horas da manhã, era um dia luminoso de novembro de 2002. Estavam comigo o poeta Edmar Vieira e os amigos Flávio Vieira e Jaider Saraiva, companheiros da cidade de Maracás. Fomos à Rua Coronel Maneca Moreira, 154, na Praça da Velha Matriz, e lá estava o poeta, em frente à casa, a nossa espera. Altivo, convidou-nos para adentrarmos em seu lar e saiu mostrando todos os cômodos da ampla casa até chegar ao quintal, onde havia alguns pés de goiaba, manga e carambola. De volta à sala, pegou o livro da poesia completa de Manuel Bandeira e falou: “Este é o maior poeta brasileiro. Estou sempre relendo sua poesia”. Edmar pediu para que recitasse o poema “Lá vai Affonso Manta”, o que fez de bom grado.

Feitas as apresentações iniciais, fomos para o Bar do Beto, na Praça Principal, lugar onde Affonso Passava boa parte de seu tempo, conversando com os amigos, entre um cafezinho e um cigarro. Informou-nos de que o poeta Elder Oliveira, que mora em Vitória da Conquista, estava em Poções, então fomos à sua procura. Elder, além de bom poeta é cantador de categoria. Daí pra frente foi só música e poesia. A alegria estava presente, podia-se perceber a felicidade estampada na face do velho bardo de Poções.

Despedimo-nos na boca da noite, por volta das 18 horas. Felizes pelo encontro, pelo dia de encantamento que a poesia havia nos proporcionado.


***

Um ano depois, novembro de 2003, recebo e-mail de Ruy informando-me de que Affonso estava internado no Hospital das Clínicas, e que a situação inspirava cuidados. No dia seguinte fui visitá-lo. A principio fiquei chocado com o estado do amigo, estava muito magro, vomitava constantemente, mas apesar de tudo mantinha o brilho no olhar e, ao me ver, fez um sorriso e exclamou: “Zé Inácio, que bom vê-lo. Como vê, estou comendo o pão que o diabo amassou!”

Passei a visitá-lo quase todos os dias, levava sempre algum amigo. Depois, surgiu a oportunidade de convidá-lo para participar da antologia “Sete Cantares de Amigos”, organizada pelo poeta Miguel Antônio Carneiro, de cuja seleção de poemas fiquei encarregado. Mostrei para Manta seus poemas que havia escolhido para a antologia, dentre eles constava o poema “Anjo de Fogo”. Pediu-me que mudasse o título desse poema para “Anjo de Luz”. Observei que se mudasse o título teria que mudar um dos versos iniciais que era: “Anjo de fogo do celeste empíreo”, para “Anjo de luz do celeste empíreo”, e aí o verso ficaria quebrado. Affonso, então, fechou os olhos e disse: coloque aí: “Anjo de luz do sacrossanto empíreo”. O problema está resolvido”. Perguntei qual era o motivo da mudança, ao que ele respondeu: “Eu estou morrendo. Fogo é coisa do Inferno e Luz é coisa do Céu.” Não questionei mais nada, apenas fiz a mudança. Poucos dias depois, 03 de dezembro, o poeta viria a falecer. No dia 11 de dezembro aconteceu o lançamento da antologia Sete Cantares de Amigos, ocasião em que Affonso foi homenageado com jogral de seus poemas, dirigido por mim, e depoimentos de Maria da Conceição Paranhos e Ruy Espinheira Filho.


***

Em uma das cartas que me enviou, datada de 18 de dezembro de 2002, ele diz:

“O “Livro de Celeste”, meu mais recente trabalho, empacou por inteiro. Tem me faltado inspiração para continuá-lo. É pena. Do que já está escrito há coisas engraçadas como este poemeto:

A PISCIANA

Celeste é meio indócil, mas serena.
De gênio calmo. Mas de amor fogoso.
Ela me dá felicidade plena
E surra de cipó de fedegoso.
 

É o que me consola, a poesia. Povoa minha solidão e estabelece um elo com os meus semelhantes, eu que sou meio caladão.”


***

Que alegria a minha. Poder ter tido a amizade e a atenção de poeta tão singular, de um homem que vivia em estado de poesia e que, com seus versos, deixava e ainda deixa a todos nós encantados. Está mais do que na hora de sua obra ser reeditada. Não é nenhum favor que vai se prestar ao poeta, ao contrário, é um beneficio que se fará às letras da Bahia e do Brasil, enriquecendo-as, ampliando o seu lirismo.


José Inácio Vieira de Melo é poeta, jornalista e co-editor da revista Iararana. Publicou os livros Códigos do Silêncio (2000), Decifração de Abismos (2002) e A Terceira Romaria (2005). Publicou também o livrete Luzeiro (2003) e organizou Concerto lírico a quinze vozes – Uma coletânea de novos poetas da Bahia (2004).

 



POEMAS DE AFFONSO MANTA



ANJO DE LUZ


E como um ser de forte claridade,
Anjo de luz do sacrossanto empíreo,
Eu sentia nas asas do delírio
A dimensão da grande liberdade.

Passava nos lugares rotineiros
Colhendo todo mundo em meu abraço,
Confundindo noções de tempo e espaço,
Embaralhando fatos verdadeiros.

Ia nos quatro pontos cardeais.
Andava sobre a linha do equador.
Via o céu de manhã mudar de cor.
Percorria os espaços siderais.

Ia mais longe do que qualquer nave.
Voava mais depressa do que a luz.
Entendia as palavras de Jesus
Como uma criancinha entende uma ave.

Achincalhava todas as mentiras.
Todos os fariseus desmascarava.
Os ídolos do hipócrita quebrava.
A roupa do impostor deixava em tiras.

E como um ser de etérea realeza,
Adornado de estrelas e de luas,
Saía a percorrer todas as ruas
À procura da forma da beleza.

E encerrava meu curso luminoso
Num lugar pelos homens habitado,
Onde era pelos guardas algemado
E preso como um louco furioso.



LÁ VAI AFFONSO MANTA


Com estrelas na testa de rapaz,
Com uma sede enorme na garganta,
Lá vai, lá vai, lá vai Affonso Manta
Pela rua lilás.

Coroa de alumínio sobre o crânio,
Lapelas enfeitadas de gerânios
E flechas no carcaz.

Manto florido de madapolão,
Bengala marchetada de latão,
Desfila o marechal,

O rei da extravagância, o sem maldade,
O campeão da originalidade,
O peregrino astral.



JOB


Eu só tenho de meu a noite e o dia.
E a tarde quando morre no poente.
Do banquete da vida estou ausente.
Freqüento as alamedas da agonia.

Eu só tenho de meu o sol e a lua.
E o jardim que contemplo da varanda.
E as meninas que brincam de ciranda
No silêncio geral da minha rua...



NÃO DESEJO MORRER...


Não desejo morrer enquanto houver
No céu estrelas brancas cintilando;
Na manhã clara um pássaro cantando;
Na cama um corpo airoso de mulher.

Não desejo morrer hora nenhuma
E sobretudo no instante presente.
Eu desejo ficar para semente,
Carpindo minhas dores uma a uma.
 


postado por 78426 as 06:38:57 #
0 Comentários

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
Perfil
78426
Meu Perfil

Links
Blog Grátis

Palavras-Chave
Affonso
Manta

Favoritos
EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO
mais...

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
RECURSOS DA EDUCAÇÃO
DIA INTERCIONAL DA ANIMAÇÃO
CIÊNCIA & SAÚDE
Feira de Orquídeas em Vitória da Conquista
SERVIDOR E PENSIONISTA DO ESTADO DA BAHIA RECEBERÁ PELO BB
CUIDADO COM O TREM!
SODA CÁUSTICA BATIZADA
IMAGINE O MUNDO ASSIM!!!
TEX A REVISTA EM QUADRINHOS QUE AGRADAVA A GREGOS E TROIANOS!!!
Aluno a distância vai melhor no Enade

Arquivos
2007, 01 dezembro
2007, 01 novembro
2007, 01 outubro

3109 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..