JURÍDICO.SINTEPP
JURÍDICO.SINTEPP
quinta, 22 novembro, 2007
Advogado do Sintepp lança novo livro


Advogado conta em livro lançado hoje a tragédia de Jhonny Yguison

Impunidade
Walmir Brelaz escreveu a história de flanelinha ferido a bala por policial

 O advogado Walmir Brelaz lança, hoje pela manhã, o livro 'O Flanelinha: Sinal vermelho para Jhonny Yguison', que narra a história do ex-flanelinha, que ficou paraplégico depois que foi ferido a bala pelo policial militar Darlan Carlos Silva Barros. Em 20 de novembro de 2001, aos 12 anos, Jhonny trabalhava limpando pára-brisas na esquina das avenidas Pedro Álvares Cabral com a Tavares Bastos, quando foi baleado pelo policial sem nenhum motivo. Passados seis anos do crime, que teve grande repercussão em Belém, a tentativa de morte continua impune.

A bala que atingiu Jhonny causou um enorme estrago no adolescente. Entrou por um de seus braços, atravessando seu corpo, atingindo um rim, o baço e o fígado, tornando-o definitivamente paraplégico. O crime foi amplamente noticiado pela imprensa local e nacional, merecendo a intervenção da Anistia Internacional.

Em 2002, o Poder Judiciário determinou ao Estado arcar com todo o tratamento médico necessário a Jhonny. Além disso, o governo concedeu uma pensão especial no valor atual de R$ 900 à família do garoto.

Além de paraplégico, hoje com 18 anos, o jovem continua dependendo do uso de sondas para urinar e defecar, de uma alimentação especial. Ele também sofre de problemas de pele, causados pelo uso dos medicamentos para controle de infecções.

Walmir Brelaz diz que a pensão está sendo regularmente paga, mas o rapaz não recebe tratamento médico do Estado. 'Atualmente eu sinto dor no lado direito do corpo; parece que está rasgando. Tenho uma sonda para urinar e outra para defecar e o que eu sei é que a Justiça obrigou o Estado a me dar toda assistência médica, mas isso não acontece. A maioria das consultas sou eu quem marco, eu preciso ficar ligando pra eles. Há dois meses a enfermeira não vem aqui em casa. O médico só veio uma vez aqui porque nós pressionamos. E ainda tem médico que nem sabe o que eu tenho', conta Jhonny num dos trechos de 'O Flanelinha:...'.

Brelaz diz que após seis anos do crime, Jhonny Yguison vive praticamente ignorado por um Estado que insiste em negar-lhe o tratamento médico, mesmo estando judicialmente obrigado a fazê-lo.

O gasto mensal com remédios é bem maior que o valor da pensão que o jovem recebe. Mas, pior mesmo, é a situação de impunidade que o garoto tem de enfrentar. No início deste ano, o juiz Ronaldo Vale desclassificou a pronúncia de Darlan Barros, mudando a denúncia de tentativa de homicídio para lesões corporais, argumentando que a intenção do militar não era matar.

DEPOIMENTOS

No livro, que será lançado hoje por Walmir Brelaz, a história de Jhonny é contada com depoimentos dele, de sua família e de informações tiradas dos autos do processo contra Darlan Barros. 'É a história de uma criança trabalhadora de rua, que conta sua infância, suas aventuras, a tragédia e o sofrimento, a luta por justiça, seus planos e sonhos interrompidos por um agente do Estado, treinado e pago para dar segurança à população, mas que investiu contra uma criança desprotegida, que era vítima da falta de políticas públicas adequadas para a infância e hoje continua vítima da falta de sensibilidade da justiça e do próprio Estado', discursa Brelaz.

O lançamento do livro será na casa de Jhonny Yguison, localizada no bairro do 40 Horas, em Ananinduea. A intenção do autor é mostrar como o jovem sobrevive hoje, seis anos depois do crime cometido pelo polícial militar, que continua em liberdade e ainda não foi julgado.

O Liberal, 19.11.2007   -  Jornal Amazônia, 19.11.2007

   


Livro sobre a vida de Jhonny Yguison terá renda revertida para a família dele

Quando o caso Jhonny Yguison Miranda da Silva - covardemente baleado pelo policial militar Darlan Carlos Silva Barros enquanto trabalhava como flanelinha em uma movimentada esquina da avenida Pedro Álvares Cabral, na capital paraense - veio à tona, em 2001, o alarde foi grande. Imprensa nacional e internacional, órgãos de defesa dos Direitos Humanos, de proteção à criança e contrários à violência fizeram manifestos e pressionaram o governo estadual para que oferecesse ao menino toda a assistência necessária. Hoje, seis anos depois do crime, no entanto, a vida de Jhonny mudou pouco. Melhor dizendo, só mudou para pior.

A família continua na mesma situação de pobreza que levou o menino, seis anos atrás, a começar a trabalhar como flanelinha nos semáforos de Belém. A pensão recebida do governo (de R$ 900) mal dá para custear os medicamentos de que o garoto precisa e, por conta da precária assistência médica do Estado, ele é obrigado a conviver diariamente com dores e desconfortos advindos dos problemas decorrentes do fatídico disparo. E para completar, em maio deste ano a Justiça paraense decidiu desclassificar o delito cometido por Darlan Barros de tentativa de homicídio para lesão corporal de natureza grave, o que faz com o que crime deixe de ser julgado em um Tribunal do Júri passando para o juízo singular.

Foi pensando em todas essas questões que o advogado Walmir Moura Brelaz, militante há muitos anos dos direitos humanos no Estado, decidiu escrever um livro que contasse a história de Jhonny Yguison. A obra, intitulada 'O Flanelinha - Sinal vermelho para Jhonny Yguison', foi lançada ontem de manhã em Belém, na casa do ex-flanelinha, na Estrada do 40 horas, em Ananindeua. Segundo Brelaz, não havia como fazer um lançamento festivo, já que o ideal era que 'um livro como aquele nem existisse'.

Segundo o autor, a obra, que pode ser encontrada nas principais livrarias da cidade, custa apenas R$ 20 e toda a renda será revertida para a família de Jhonny. Ele vive com o pai, a mãe e uma irmã. O pai está desempregado e a mãe precisou abandonar a barraca que tinha na feira do Ver-o-Peso para cuidar do garoto depois da tragédia. Hoje, a família sobrevive apenas com o dinheiro da pensão paga pelo Estado e os lucros advindos de uma vendinha que eles montaram na frente de casa. Yguison deseja uma audiência com a governadora Ana Júlia Carepa para pedir ajuda. 'Já enviamos um ofício, mas não obtivemos resposta. Gostaria muito de conversar com ela, para explicar tudo o que está acontecendo comigo e pedir ajuda', desabafou.

Jornal Amazônia, 20.11.2007

 


postado por 42677 as 07:38:05 #
0 Comentários

Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
Perfil
42677
Meu Perfil

Links
Massacre Eldorado Carajás
STF
TJE-PA
Executivo-PA
Legislativo-PA

Palavras-Chave
sintepp

Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
Temporários
Temporários
Temporários - Reclamação STF
Temporários
Temporários
Reclamação Temporários
Servidores temporários
Direito de Greve
LIMINAR DEFERIDA
Reforma do RJU

Arquivos
2007, 01 novembro
2007, 01 outubro
2007, 01 setembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 março
2007, 01 fevereiro
2007, 01 janeiro
2006, 01 dezembro
2006, 01 novembro

17436 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..