pupilavirtual
pupilavirtual
sexta, 28 dezembro, 2007
Cuidando dos seus olhos


M. Elizabeth Mota

Oftalmologista pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP. Membro Titular do Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Atende em seu consultório, em Itu.



teste do Olhinho

O teste do reflexo vermelho, ou simplesmente “teste do olhinho”, é desde março obrigatório em todos os recém-nascidos nos hospitais do estado de São Paulo.
Assim como o teste do pezinho é capaz de detectar precocemente e evitar doenças mentais nos bebês, o teste do olhinho também promete proteger muitas crianças da cegueira ou do desenvolvimento de doenças oculares como a catarata, o glaucoma e o retinoblastoma.
Aproximadamente uma criança fica cega a cada minuto no planeta. De acordo com a Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP), 80% da cegueira mundial poderiam ser evitadas – sendo 60% curáveis e 20% previsíveis – se medidas como esse simples teste fossem tomadas. Estima-se que existam 400 mil crianças cegas no mundo – e 94% delas encontram-se nos países em desenvolvimento. Só no Brasil, acredita-se que existam entre 25 mil e 30 mil crianças cegas.
Essa estatística é assustadora porque na maioria dos serviços de neonatologia do país os olhos dos recém-nascidos não são adequadamente examinados. Como resultado, mais de 50% dos recém-nascidos só têm a alteração descoberta quando estão cegos ou quase cegos para o resto da vida. Tais seqüelas seriam prevenidas em grande parte se o problema fosse tratado no tempo certo.
O que é o teste
Trata-se de um exame muito simples, indolor e rápido, e que pode ser feito pelo próprio pediatra do hospital ou da maternidade. O único equipamento necessário é um oftalmoscópio direto.
O “teste do reflexo vermelho” recebe esse nome porque, quando a luz é projetada no olho do bebê sadio, um reflexo vermelho ou amarelo-avermelhado proveniente da retina se apresenta. Tanto a intensidade como a coloração do reflexo devem ser semelhantes em ambos os olhos, ou seja, simétricos. A reflexão da coloração avermelhada normal da retina ocorre porque os meios oculares (córnea, cristalino, vítreo) encontram-se transparentes. A ausência do reflexo ou a presença de reflexos diferentes em um e outro olho podem significar alguma alteração congênita. Neste caso, a criança deve ser encaminhada ao oftalmologista com urgência.
A Sociedade de Pediatria de São Paulo e a Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, em documento conjunto, sugerem sua realização em todo recém-nascido na primeira semana de vida.
O teste também pode ser realizado nas consultas rotineiras em crianças maiores, de qualquer idade, e não só no berçário, pois muitas doenças passíveis de diagnóstico pelo método podem aparecer mais tardiamente.
Doenças detectáveis
Estima-se que atualmente 0,4% dos recém-nascidos seja portador de catarata congênita. Esse número é decorrente da alta incidência de infecções congênitas, como a rubéola. Já nos países desenvolvidos, sua maior causa é genética. A catarata congênita é detectada pelo teste do olhinho, quando apresenta um reflexo vermelho que não é visto de maneira clara ou uniforme.
O diagnóstico precoce desse tipo de catarata é de extrema importância para o bom desenvolvimento da criança, pois quanto mais precoce o diagnóstico e o subseqüente procedimento cirúrgico, nos casos positivos, menor será o dano à acuidade visual provocado pela doença. Assim, um caso de catarata total, eliminada no primeiro mês de vida, provavelmente não deixará seqüelas. Já a espera de sete ou oito anos para a cirurgia da catarata possivelmente criará danos irreversíveis.
O glaucoma congênito é observado em um em cada 10 mil recém-nascidos vivos, aproximadamente, e é decorrente do aumento de pressão intra-ocular que provoca rupturas no endotélio corneano, levando a edema de córnea. O edema de córnea impede a entrada normal de luz para dentro do olho.
Essas doenças, quando detectadas precocemente e tratadas antes do período crítico, isto é, nos primeiros três meses de vida, têm resultados muito melhores. O ideal é que as cirurgias sejam realizadas na quinta semana de vida do bebê, entre o segundo e o terceiro mês.
Quanto aos tumores malignos intra-oculares, o retinoblastoma é o mais freqüente na infância. Se não tratado com urgência, pode levar a criança ao óbito. Segundo dados do SBOP, no Brasil 60% dos retinoblastomas são diagnosticados tardiamente, quando já não é possível salvar o olho e, às vezes, nem a vida da criança.
Existem dois tipos de retinoblastoma: o resultante de uma mutação somática, em que um fotorreceptor da retina sofreu uma mutação e desenvolveu o tumor; e outro resultante de uma mutação germinativa, em que todas as células do indivíduo carregam a mutação responsável pelo tumor. O retinoblastoma resultante de mutação somática é esporádico, sempre unilateral e raramente congênito. O retinoblastoma decorrente de uma mutação germinativa é transmitido de forma autossômica dominante, é bilateral em 30% dos casos e pode ser congênito.
Visão saudável para um desenvolvimento melhor
Felizmente, o estado de São Paulo não é o único que está empenhando em detectar e tratar precocemente as doenças oculares nos recém-nascidos.
O governo municipal de São Paulo já havia decretado a obrigatoriedade do teste do olhinho em 2003. E antes disso, em 2001, a capital carioca também já havia instituído o teste, a exemplo de outras cidades do Brasil.
No Planalto já há estudos e projetos para tornar o teste do olhinho uma obrigação nacional. Uma coisa é certa: a participação conjunta de pediatras e oftalmologistas nessa luta para a prevenção da cegueira infantil é fundamental, pois todo o processo de desenvolvimento da visão está na dependência do estímulo visual. A criança necessita “ver” para desenvolver a sua visão. Até que a acuidade visual esteja totalmente estabelecida, qualquer obstáculo à formação de imagens nítidas em cada olho pode levar a um mau desenvolvimento visual, que se tornará irreversível se não tratado em tempo hábil. E uma boa acuidade visual é importante no desenvolvimento físico e cognitivo normal da criança.
Uma criança com visão subnormal tem seu desenvolvimento motor e sua capacidade de comunicação prejudicados, porque gestos e condutas sociais são aprendidos, também, através da visão.

postado por 35548 as 06:48:22 #
0 Comentários
Comente este post!   |    <<< Voltar para Início

 
Perfil
35548
Meu Perfil

Links
Blog Grátis
Hoteis

Palavras-Chave
saúde

Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
FELIZ ANO VELHO 2.0
Cães-guia custam caro e enfrentam resistência
Site oferece leitor de telas gratuito para cegos
Alagoas terá internet em braille
Lions Internacional comemora 90 anos de prestação de serviços
Correios transcrevem carta em braille de graça
Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência alerta para situação dos deficientes no país
IBM desenvolve 'mundo virtual' para internautas cegos
Chip implantado no olho devolve visão a cegos
Site cria biblioteca online só com audiobooks

Arquivos
2008, 01 agosto
2008, 01 maio
2008, 01 março
2007, 01 dezembro
2007, 01 outubro
2007, 01 setembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 abril
2007, 01 março
2007, 01 fevereiro
2007, 01 janeiro
2006, 01 dezembro
2006, 01 novembro
2006, 01 outubro
2006, 01 setembro

18979 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..