Efervescência
Efervescência
quinta, 01 novembro, 2007
Põe Ética


PÕE ÉTICA

Foi lida a arte como sinônimo de beleza

“Que não põe mesa, que não põe mesa!”

Então não apodreça o poema,

Falando do cheiro de sangue,

Da lama da cidade, do lixo do mangue!

Não descreva as mazelas, não fotografe as favelas!

Vamos copiar, invejar o cabelo das magrelas,

Que o padrão da dona Maria

De barriga na pia e chinelão

Não rende verso, não!

Quem já viu uma escultura

Do menino, do mendigo da rua?

Não tem graça! Só se for de mulher nua!

No esguicho cerebral do comercial de televisão,

Na música da glamourosa, no pancadão

Eu vejo a beleza, que abre o apetite, mas não põe a mesa

Por isso que eu vejo os moleques vestindo a etiqueta:

No punho o relógio, uma doze e uma chupeta.

Na mamadeira tinha a pinga do Exu da Cara Preta,

Que com o leite da escola a diretora fez mutreta.

Não estragues o poema, arranjes outro tema,

Que de feio já basta o povo!

Não fales do busão lotado, fedido, apertado

De todo mundo com cara de ovo!

Não seja que nem o professor teimoso:

Que queria falar, de novo,

Sobre a tal da Constituição!

“Melhor mandar embora, assim, sem demora

Pra não criar confusão!”

Cheguemos no bar do Inácio, camarada!

Vamos tomar a gelada , da loira siliconada!

Desce muito mais redondo com etílico,

Fermentando a farinha e o horário político...

Pra reforçar o ato cívico: “Meu amor, eu dirijo!

Por favor, dá um real prá esse menino raquítico.”

Bom Prato, moleque, prá amolecer o estômago rijo!

Aqui jaz como guspe o poema chulo, INSS, de perna manca

Tanta praia bonita, tanto Domingo e requebrar de anca...

E o verso flamingo rasteja descalço, no rasgado que o vidro estanca.

Como dizia Silvio Santos: “-Ôe!”

Uma salva de tiro!       


postado por 56147 as quinta, novembro 01, 2007 # 30 comentários
terça, 11 setembro, 2007
Soneto da Coerção


Soneto da Coerção.

Dobram-se os joelhos no chão inexato,
Teatro da existência, único Ato:
Só, constante, humilhante e resignado.
Vazio espanca o estômago petrificado...

Verde carniça pulsa o odor de sangue,
Úmida do rio fraternal de lágrimas.
Moro no beco das lindas leis magnas.
- Isso não é cidade, meu pai, é um mangue!

O destroço nem toca a língua seca,
Odor é gosto na saliva pouca.
Joelhos rasgando na estilhaçada rouca.

- Engole a carne, filho de uma égua!
E eu, descalço, viajei tanta légua...
Pra comer o defunto que eu não matei!


postado por 56147 as terça, setembro 11, 2007 # 24 comentários
terça, 28 agosto, 2007
ODE À VOSSA EXCELÊNCIA

Capitalista, homem vil

Tio Patinhas do Brasil

Homem que é pura sabedoria

Sua cabeça sofre de desenteria

Dizem os ignorantes da massa:

- Homem de porte, homem de raça!

Ora essa! Está aberta a temporada de caça!

Padrinho da burguesia, membro da tirania

Sua alma é vazia

Tal como sua ideologia

Seu capitalismo me dá azia

Pedimos apenas que tenha consciência

Mas o excesso de opulência

Faz com que o Excelentíssimo Senhor da Presidência

Aja com negligência

E duvide da minha inteligência

Tenha santa paciência,

Para aturar sua interminável incompetência!

Jamais deixarei de cutucar sua corja de genocidas

E mesmo que sufoquem as palavras exauridas

Eu gritarei pelas tantas vidas interrompidas

Por cada criança desiludida, destituída

Desprovida de educação, segurança, saúde, comida...

Indivíduo responsável por tanto desamor

Enfia no rabo seu diploma de doutor

Capaz de colocar muralhas no caminho do trabalhador

Da peça que move qualquer setor

Do homem honesto, lutador

Que serviu cada fatia da riqueza ao senhor.

Sabe que, enquanto estiver no cume

Ficará impune

Mas a mesma força que aqui nos une

Irá penetrar os seus segredos

E os dar a lume...

Magnificência

Pensas que meu pequeno brado

É ato de violência

Passa aqui pro meu lado

Pra parte de fora da sua circunferência

Veja quão impressionante a nossa decadência

A única agressão aqui é a sua indolência

O nosso dinheiro e o seu poder

Lhe trazem luxos, privilégio e lazer

Mas não são válidos contra a putrefação que te espera

Existe uma lei mais severa

A lei dos justos é divina

E não aceita propina.

----> Este foi meu primeiro poema. Escrevi ainda menina, para FHC. Mas serve para os outros também.



postado por 56147 as terça, agosto 28, 2007 # 21 comentários
segunda, 27 agosto, 2007
SACO CHEIO...


**** Este não é um texto definitivo. Ele precisa de opiniões, porque o contato que estabeleci com a literatura marginal, ainda está fresco...

 

 

Ferréz e nossa literatura marginal que me desculpem. Não dá pra aceitar rotulações. Dá sim, pra apoiar um movimento literário radical e extremista, com justificativa de que a passividade não faz barulho. Assumir uma postura e berrar na orelha da sociedade, até estourar-lhe os tímpanos. O ponto é: o que estamos berrando? Em primeiro lugar, só me limito a prestigiar condutas que sigam o Direito do ser humano ser humano, deu pra entender? Mas o ser humano que está inserido no sentido da cooperação. Neste sentido, aplausos para o movimento da literatura marginal! A minha crítica à alguns autores não diz respeito à sua liberdade de expressão, mas simplesmente não concordo com a opinião de muitos. É o direito do toma lá dá cá. Se a literatura marginal, por um lado mete o pé na porta da literatura e a torna universal, por outro germina sementes preconceituosas. Não digo que ela não sofra preconceitos, fico até imaginando porque Ferréz não é mais um “caro amigo”. O teor de alguns textos pinga no olho o colírio da revolta contra a imundície das relações sociais e capitalistas. Outros, porém, mostram a criminalidade como uma resposta ao canibalismo do sistema feudal contemporâneo, sendo um produto que deve ser engolido sem mastigar. Perdão, mas meu estômago tem o direito de regurjitar alguns pequenos pedaços. Eu jamais acharia normal um criminoso assassinar um pai de família só porque ele tem grana. Isso é inconcebível e até acho que você que está lendo essa bagaça, até concorde comigo. Eu queria mesmo é ver o pessoal explodir um deputado, um juiz corrupto filho de uma vaca, um dono de empresa de transportes. Minha raiva é ver o povo fuder com o povo, um irmão de batalha matando outro irmão na batalha. E o que acontece, me vem a literatura marginal botar pilha? Achar que só porque fulano conseguiu se dar bem na vida, merece a vingança? Tem gente do povo que se esmerilhou a vida toda, se fodeu e quando consegue alguma coisa de mérito, leva uma bala na cara. Nem sempre é só de policial que gente de bem morre, mas mais comum que seja de ladrão de galinhas. Por que conseguir as coisas por mérito é errado? Qual a graça de gritar assim as desigualdades humanas? Vaidade ou desejo de compaixão? Porque quando o fulano se dá bem passa a ser rotulado como filho da puta. Alguém de status social que segura nas mãos desonestas o poder desviado, esse merece que lhe passem o ferro. Não me venham com falsa moral, dizendo que estou apoiando um crime. Muito menos boquiabertos cuspindo catolicismos baratos de padres que molestam criancinhas. Eu só viro católica se derreterem o teto de ouro da basílica de São Pedro e fazerem alguma coisa útil em prol dos “filhos de Deus”, de preferência as crianças africanas (ou o que sobrou delas), as crianças vítimas de exploração sexual, etc.

Um político verminoso que toma longos banhos numa ducha cardal, jorrando pelo ralo, milhões de litros de água que não conseguem lavar a sujeira da sua carne podre. Nas custas dos milhões que roubou dos impostos que eu, você e a tiazinha que sustenta sua prole sem ter água potável pra fazer a mamadeira da criança e toma banho gelado de canequinha, fomos obrigados a pagar por meio de impostos. Quem se mete com eles? Eles financiam o tráfico de drogas, que se você que consome a maconha ou seja lá o que for, está sendo cúmplice do assassinato do moleque do morro, do espancamento ao mendigo que não tem direito ao nome nem ao túmulo, da mãe que perdeu os cabelos entre os dedos de preocupação com seu neguinho ou seu branquinho que saiu pra escola e não voltou mais. Eu queria ver a literatura universal da denúncia, da consciência, da língua do marginal que foi sufocado pelo poder tirano, deixando nua a mídia que relincha baboseiras, o jornal que é tendencioso. Não ver gente inteligente grudar cartazes com estereótipos, tem muito negro bom e branco bom, negro ruim e branco pior ainda. Neste mundo tem vagabundos de todas as classes sociais, tem pobre que não vale um real e rico que não vale meio. Mas também tem o contrário, tem gente muito boa, gente que não merece estar no morro, gente rica que ganha o seu pelo próprio esforço e perseverança. Que tombou muito antes de chegar no topo. Dividir as massas, as hierarquias e enfiar o dedo na cara delas dizendo quem é bom ou mau pelo simples critério financeiro é inocência. Alguém me responda porque o governo não inclui o ensino da Constituição nas escolas??? Que escolas? Estes lixos que são algumas escolas? Talvez as moscas estejam interessadas em aprender sobre ela. As moscas do descaso do governo, as moscas da ausência de alunos interessados e dos alunos que precisam trabalhar para comer uma migalha, dos alunos portadores de necessidades especiais ou acometidos por alguma doença que ficam horas, na fila de algum hospital público, as moscas dos professores lesados que não cumprem suas obrigações. Por que os que cumprem são, literalmente, as próprias moscas zunindo sozinhas.

Estou sentindo falta de uma literatura marginal que mostre ao povo os direitos dele, que os ensine a gritar, a esmurrar a cara gorda e bochechuda de um repressor que tente estreitar o caminho. Que assuma de uma vez o poder sobre uma nação. A literatura que arregaça a manga e vai falar com o povo, vai intimar o Estado, vai exaltar o seu João que é um puta de um batalhador, digno e honesto. Mas vai cutucar as laranjas podres do que também existem no seu meio. Porque se não for assim, daí também é hipocrisia. Daí é igualzinho o outro lado de lá. Eu queria fazer parte da literatura que colabora pro bem estar geral, que provoca algum turbilhão, que incentiva, que acende uma faísca. As aparências enganam. Histórias pra contar todo mundo tem, o direito legitimo de viver como gente deve ser assegurado. Quem tem o talento das palavras tem por dever, multiplicá-las.

 


postado por 56147 as segunda, agosto 27, 2007 # 0 comentários
...


Para quem goza

De boa saúde

O espirro é

Um orgasmo nasal.


postado por 56147 as segunda, agosto 27, 2007 # 0 comentários
OUTROCENTRISMO

Carvão para o egocêntrico

Incediar a fogueira da vaidade.

E na grelha da hipocrisia

Arde a angústia pelo ingrato.

Não há aplausos que apaguem

As labaredas

Da prepotência em assumir o alheio.



postado por 56147 as segunda, agosto 27, 2007 # 28 comentários
domingo, 01 julho, 2007
Minha primeira Comunhão


Os olhos, para sempre, esqueço...

Na imensa rasgadura do teu sorriso.

Em meu braço, eternamente o berço,

De um insano amar: puro e preciso.

Dai-me a vida, óh Pai, após a morte...

Pois, que carrego do ventre tanta sorte

Na minha mão pela tua preenchida!


postado por 56147 as domingo, julho 01, 2007 # 14 comentários
sexta, 08 junho, 2007
Feriadão


Não bastando as confusões emocionais:

Hoje, precisamente às 20h54m realizei uma consulta
de saldo no caixa 24 horas que pertence a área externa da agência do
UNIBANCO do supermercado EXTRA (Rua Samuel Klabin, 193 - Bela Aliança -
São Paulo.). Após realizar a consulta no terminal 05077102, dirigi-me
ao caixa paralelo para realizar o saque, pois o primeiro terminal não
 realiza este tipo de operação. Para o meu descontentamento, após
realizar todo o procedimento para o saque no valor de ... o
terminal informava que estava processando a operação e ainda pude
ouvir o som de uma suposta contagem de notas. Acontece que a tela
mostrou uma mensagem informando que a operação não havia sido realizada
Por este motivo, dirigi-me ainda ao terceiro caixa, pois me surgiram
algumas possibilidades: ou o caixa não possuia o valor suficiente em
notas;ou não era possível sacar este valor devido a normas de segurança
 (?); ou o valor poderia ter sido realmente descontado e as notas
haviam ficado presas.Graças a minha relativa ignorância optei por
verificar por meio de um extrato (às 21h no terminal 02077104).
O extrato confirmou o débito deste valor, sendo que a máquina não
havia liberado o montante. Ocorre que na tela dos caixas existe um
aviso em letras garrafais que instrui o cliente, que em caso de
problemas, ligue SOMENTE no seguinte número 40040030. Em primeiro
lugar levei em média 15 minutos para ser atendida ouvindo uma redundante gravação
dizer que a ligação era muito importante para o Unibanco.
Posteriormente recebo da atendente a incoerente notícia de que a
ocorrência solicitada não poderia ser atendida por meio deste serviço.
Pergunta: Oras, por que então constaria um aviso tão apelativo com
este número no visor da máquina? A senhorita atendente duvidou da
existência deste aviso nos caixas eletrônicos (registrei esta tela por
meio de foto) e então resolveu me passar mais um número de telefone,
que por fim me forneceu ainda outro (tempo é dinheiro?). Nesta última
ligação registrei o problema e solicitei providências. A atendente me
forneceu o prazo de 2 a 10 dias para a resolução deste desprazer. Este
valor é referente a pensão alimentícia de minha filha, valor que
complementa a renda para suprir as necessidades fundamentais dela.
Como posso aguardar todo este tempo, por imperícia de um sistema,
sendo que a quantia estava disponível? Há uma necessidade imediata,
visto que este valor tem uma finalidade específica. Como o caixa
eletrônico ESTÁ CONTIDO em uma loja das redes de supermercado EXTRA,
questionamos a gerente sobre a possibilidade de haver algum supervisor
destes caixas. Não só fomos informados que não havia nenhum
responsável no local, como também que o EXTRA não exerce nenhuma
responsabilidade sobre o fato. Apelando novamente para minha relativa
 ignorância, imaginei que qualquer instalação que esteja dentro de uma
outra, está a ela subordinada. Ou seja, o Unibanco existe ali com o
aval de funcionamento expedido pela rede de supermercados (imagino que
deva haver todo um procedimento complexo para que ali se aloje), para
depois ser negligenciado pela administração do local??? Meu pai,
muitíssimo mais educado e diplomático do que eu, foi quem conversou
com a gerente, mesmo recebendo uma posição neutra e desinteressada
sugeriu que o terminal fôsse "interditado" para que outras pessoas
não sofressem o mesmo prejuízo. Finalmente recebeu uma segunda
negativa. Já nos dirigimos ao 33º DP de minha região e recebemos
suporte e orientação do delegado Dr. ??.
Aguardo a análise destes fatos e o reembolso de uma água com açucar.


postado por 56147 as sexta, junho 08, 2007 # 2 comentários
quinta, 31 maio, 2007
Calada Gêmea

O casal permeia sonoramente

O silêncio madrigal da calada

E o ébrio acúmulo que ali vagueia

Faz rarefeito o ar da passada.

Palmilhar uno de sola cruzante

Cadência justa, enfim, coordenada

Gêmeos pastos, gêmea pata alheia

Mamando o leite da teta empedrada

Édipo ouvio concepções vacilantes

Na própria sina pôs a crepitada:

Um seio amargo seus nós incendeia.

Nús e sábios, amaram ignorantes

Na sede que engolia a madrugada

Beijaram loucos os mitos de areia.



postado por 56147 as quinta, maio 31, 2007 # 5 comentários
segunda, 16 abril, 2007
. . .


Tomar vento na moleira

Beber mar de cachoeira

Chuva de plumas amarelas

Um banho de água de jasmim

Uma toalha de pelúcia

Cheiro morno das panelas

Brancos lençóis de cetim

Castidade em sacramento

Pecado e momento

Capítulo inédito em mim


postado por 56147 as segunda, abril 16, 2007 # 22 comentários
segunda, 09 abril, 2007
Açougue

Dou-te um quilo de minha carne fresca,

Deste corpo aqui, onde o cardíaco é teu.

Coma e satisfaça tua fome, amigo meu!

Arranco estes lábios,

Untados de sangue rubro,  

E então é assim que pousam nos teus pés.

Derreto a seiva da minha língua infante

Para fazer-te um chá purgante.

E desço a minha alma aos umbrais...

Negocio meus olhos de flores castanhas,

Embora, de certo, azedem nas entranhas

dos vorazes estômagos infernais.

Rias de mim, senão sedes animais !

Pseudo-sábio, não definhais...

Sei que amola a sua faca escondido

E Rega os ramos dos espinhais.

Descalça e lúcida eu sigo contigo

Por que em troca, bem te quero mais.



postado por 56147 as segunda, abril 09, 2007 # 4 comentários
quinta, 05 abril, 2007
TESTAS

Uma testa é uma testa

Disposta e aberta.

Leva a testa um carimbo

Um rótulo, uma restrição.

Um adjetivo fluorescente

Até as vezes de baixo calão.

Uma lâmpada de idéias,

Uma marca de batom.

A testa leva e é ela quem atesta:

O tamanho do tombo da besta;

A importância do dono da festa;

O tanto de cabelo que resta.

Numas os segredos estampados

Noutras um olho a mais por precaução

Sempre há espinhas, pois chocolate é quente

E sempre há espinhas dos atritos com a mão.

A testa é um painel, uma lousa pra lição

Da minha testa cuido eu:

Sempre lavo com sabão.



postado por 56147 as quinta, abril 05, 2007 # 1 comentários
qUeBrAnDo a CaBeÇa

Isso aqui é uma forma lúdica daquilo que brota na minha mente. Um gigante quebra-cabeça onde eu tento encaixar as peças da minha visão (ou cegueira) de mundo com as peças-palavras.

A BRINCADEIRA COMEÇOU...



postado por 56147 as quinta, abril 05, 2007 # 10 comentários
Honra ao Mérito


E assim se vence a guerra...

Flexibilidade das próprias almas

Combatentes

Que guerreiros dos Ideais

Saboreiam

Ao invés de, sem os dentes

Mastigar medalhas.


postado por 56147 as quinta, abril 05, 2007 # 2 comentários
 
Perfil
56147
Meu Perfil

Links
Blog Grátis

Palavras-Chave
Ideais
Medalhas

Favoritos
Não há favoritos.

adicionar aos meus favoritos


Colaboradores do Blog


Comunidades
Não há comunidades.

Posts Anteriores
Põe Ética
Soneto da Coerção
ODE À VOSSA EXCELÊNCIA
SACO CHEIO...
...
OUTROCENTRISMO
Minha primeira Comunhão
Feriadão
Calada Gêmea
. . .

Arquivos
2007, 01 novembro
2007, 01 setembro
2007, 01 agosto
2007, 01 julho
2007, 01 junho
2007, 01 maio
2007, 01 abril

5837 acessos
CRIAR BLOG GRATIS   
..